Edital de Divulgação Sessão Ordinária 27/09/2016 da Câmara de Colombo



 O Presidente da Câmara Municipal de Colombo, no uso de suas atribuições legais, divulga a pauta da Sessão Ordinária a ser realizada no dia 27/09/2016, às 16 horas

 Projeto de Lei do Legislativo N°: 680 Ano: 2013 Autor: Dolíria Strapasson Assunto Denomina logradouro público do município de Colombo de Pedro Bontorin (bairro Campestre).

Situação: 2ª Votação Projeto de Lei do Executivo N°: 12 Ano: 2016 Autor: Executivo Municipal Assunto Estima a receita e fixa a despesa para o exercício de 2017 Situação: 1ª Votação

 Indicação N°: 499 Autor: Renato Tocumantel Destinatário: Departamento de Pavimentação Assunto: Solicito o orçamento da Rua Rosa Maschio Batistão no Alto Maracanã e incluir no Plano Comunitário de Pavimentação.

 Indicação N°: 500 Autor: Hélio Feitosa Lima Destinatário: Secretaria Municipal de Obras e Viação Assunto: Viabilizar equipe para realizar manutenção na boca de lobo, galeria de águas fluviais, Rua São João Batista no Bairro Fátima, próximo ao número 1376

 Tribuna Livre: Nilton Luiz C. de Mello – Parceiros do Rim. Assunto: Alerta a população e aos vereadores da importância da doação de órgãos



 Colombo, 26 de setembro de 2016.




 WALDIRLEI BUENO DE OLIVEIRA Presidente

SANTO ITALIANO



A Lava Jato obteve uma troca de mensagens em que o político italiano Donato Di Santo pede a Branislav Kontic ajuda de Antonio Palocci para conseguir um encontro com João Ferraz, então presidente da Sete Brasil.
Ex-assessor de Massimo D'Alema, amigo de Lula, Santo faz lobby para a empresa National Ports, da Austrália. "O propósito é apresentar um projecto totalmente innovativo em tema de pre-sal", explica.
Na planilha da Odebrecht aparece um "Santo". Será o mesmo?

DILMA E OS PORQUINHOS ITALIANO E CAJU


Os técnicos da Polícia Federal conseguiram recuperar do computador da delatora Maria Lúcia o arquivo "SOLICITAÇÕES ESPECIAIS - SP - 10 a 17.09.10 ITALIANO E CAJU.xls", criado em 30 de agosto e encerrado em 4 de outubro - um dia depois do primeiro turno eleitoral.
Há três repasses, "via Juscelino Dourado", registrados na planilha, num total R$ 36 milhões. A atualização dos valores, segundo o MPF, coincide com encontros de Antonio Palocci com Marcelo Odebrecht.
A Lava Jato identificou Palocci como o "Italiano", mas ainda não conseguiu vincular o "Caju" a ninguém.
O Antagonista aposta que "Caju" é o ex-presidente da Petrobras José Eduardo Dutra, que fez sua carreira sindical e política em Sergipe. Dutra foi até senador pelo estado quem tem Aracaju como capital e o "Forró Caju" como festa tradicional - e uma das maiores do Nordeste.
A campanha que elegeu Dilma Rousseff (e quebrou a Petrobras) em 2010 tinha como coordenadores os mesmos Antonio Palocci e José Eduardo Dutra, além de José Eduardo Cardozo - apelidados pela petista de "três porquinhos".
Dilma sabia da imundície.

PALOCCI LEVOU 10 MILHÕES PARA APROVAR MP



A Lava Jato descobriu que Antonio Palocci embolsou R$ 10 milhões para interferir na aprovação da Medida Provisória 460, que visava ao reconhecimento do crédito prêmio de IPI pelo governo até a data de 31 de dezembro de 2002 - medida que beneficiaria o grupo Odebrecht.
"Como Antonio Palocci Filho estava atuando em favor dos interesses do grupo, haveria remuneração ao agente público e/ou também a outros beneficiários da agremiação política que representava."
Palocci exercia mandato de deputado federal, para o qual foi eleito mesmo após o escândalo do caso Francenildo.

O ENDEREÇO QUE APROXIMA PAES DA ODEBRECHT



A Lava Jato recuperou do computador da delatora Maria Lúcia - a secretária que implodiu o império Odebrecht - várias planilhas com endereços de entregas de propinas.
Um desses endereços é a sede da Apto Ponto Com Comunicações, na Av. das Américas, 1155, sala 1211, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.
Como ressalta o MPF, a empresa seria destinarária de R$ 1 milhão, pago em duas vezes de R$ 500 mil, oriundos da Braskem. A "Apto Ponto Com" tem como sócios Raphael Oliveira da Fonseca, André Luiz Quirino Chaves e Pedro Schachter Guidoreni.
O Antagonista descobriu que Quirino Chaves foi assessor do chefe da Casa Civil de Eduardo Paes, Luiz Antonio Chrispim Guaraná, que foi alvo de denúncias de enriquecimento e envolvimento com milícias. Hoje, Guaraná é conselheiro do Tribunal de Contas do Município do Rio.

O ELO DA OMERTÀ COM A OPERAÇÃO VOUCHER



A Operação Omertà descobriu que a Odebrecht também mandou entregar propina na sede do Ibrasi (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Infraestrutura Sustentável), pivô da Operação Voucher que desbaratou esquema de desvio de recursos no Ministério do Turismo, em 2011.
Na ocasião, a PF prendeu 38 pessoas, inclusive Mário Moyses, ex-presidente da Embratur ligado à ex-ministra Marta Suplicy e responsável pelo convênio fraudulento com o Ibrasi.
Na operação de hoje, foi preso Branislav Kontic, homem de Palocci e ex-assessor especial de Marta na prefeitura de São Paulo.
Dono do Ibrasi, Luiz Gustavo Machado também é sócio da empresa Insight Sistemas Inteligentes, sediada no mesmo endereço da entrega de propinas. A Insight já prestou serviços à prefeitura de São Bernardo do Campo, na gestão Luiz Marinho.

DUDA MENDONÇA TAMBÉM RECEBEU



Na análise dos endereços de entrega de propina, os investigadores da Lava Jato também identificaram remessas para José Eugênio de Jesus e Samuel Vieira Martins da Silva.
Eugênio era diretor financeiro da agência de Duda Mendonça, enquanto Samuel era o motoboy do publicitário.
"Há, assim, indícios de que as pessoas indicadas para recebimento de recursos em hotel situado em São Paulo/SP, operacionalizado pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, tenham sido apenas intermediários da transferência de dinheiro espúrio em espécie para Duda Mendonça."
Para aprofundar a investigação, foi solicitada busca nos endereços de Eugênio.

'OPERADOR' DE RENAN NA OMERTÀ



O MPF também pediu busca e apreensão na residência e local de trabalho do lobista Milton de Oliveira Lyra Filho, considerado operador de Renan Calheiros.
Confira aqui a íntegra da representação do Ministério Público Federal, em Curitiba.

O PETISTA DA FLORESTA



É Jorge Viana o "menino da floresta" citado na planilha da propina da Odebrecht, de acordo com a Lava Jato.
O Estadão informa que a Omertà "conduziu coercitivamente para depor o consultor Marcio Antônio Marucci, um ex-assessor do Senado ligado ao senador Jorge Viana (PT-AC). As suspeitas são que ele pode ter relação com propina negociada pelo ex-ministro da Fazenda e Casa Civil Antonio Palocci, com a empreiteira Odebrecht".
A Lava Jato rastreou entregas de valores no endereço de Marucci.
Em março de 2015, o alvo foi nomeado assessor parlamentar na primeira vice-presidência do Senado. Ele foi exonerado do cargo em junho deste ano".

Polícia Civil mata Fat Family

Agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil mataram o traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, de 28 anos. Em junho, o criminoso, que chefiava as bocas de fumo do morro Santo Amaro, no Catete, Zona Sul do Rio de Janeiro, ele foi resgatado por cerca de 20 bandidos de dentro do hospital Souza Aguiar, numa ação que resultou na morte de um inocente e deixou pelo menos dois feridos. Na manhã de hoje, na Itaóca, que faz parte do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, o bandido foi encontrado e, após intenso confronto, acabou morto.

fatFoi uma operação de inteligência que contou com apenas 30 agentes e um helicóptero da Polícia Civil, bem diferente do gigantesco aparato montado nas outras vezes e que, talvez por isso, não tenham dado resultado. Além de Fat Family, dois seguranças também morreram no confronto, que se deu numa região de mata.

Sim, Palocci intermediou propina para Lula



Os detalhes da compra do terreno destinado ao Instituto Lula eram repassados de Marcelo Odebrecht para o assessor de Antonio Palocci, Branislav Kontic.
Sim, Palocci intermediou propina para Lula.

LAVA JATO NÃO PAROU PALOCCI



A Lava Jato verificou também que, mesmo após a deflagração da Operação Lava Jato, "continuaram a ocorrer comunicações e encontros entre executivos da Odebrecht e Antônio Palocci, até, pelo menos, maio de 2015".
"Neste período final, as comunicações passaram a ser realizadas de forma mais cautelosa, por meio da utilização de dispositivos criptografados."

MO AUTORIZAVA A PROPINA



Filipe Pace diz que Marcelo Odebrecht ordenava e coordenava o pagamento de propina a obras em todo o país. "Ele tinha poder direção da empresa e também no pagamento de propina."
Está documentalmente provado o pagamento de propina nas seguintes obras:
Linha 2 de São Paulo, contrato com o Metropolitano de São Paulo, Metrô de Ipanema, obras do Porto de Laguna, processamento de Lixo em São Paulo, obras em Rio das Ostras (RJ), obras de presídios no Rio, de reforma do Santos Dumont, de modernização do Aeroporto de Jacarepaguá, obras do Panamericano, entre outras.

POLÍCIA FEDERAL MANDA RECADO AO MINISTRO




Igor Romário leu uma nota sobre o cuidado com o sigilo da Operação Omertà. Ele diz que "somente as pessoas responsáveis diretamente pela investigação possuem informações sobre seu conteúdo" e que "as datas de deflagração das operações são acompanhadas apenas pela coordenação".
"O Ministério da Justiça não é avisado. No entanto, é sugerido ao titular que não se ausente de Brasília."
Alexandre de Moraes quis aparecer e falou o que não devia.

Jovem de 18 anos é atropelado e assassinado com vários tiros na CIC


Por Luiz Henrique de Oliveira e Daniela Sevieri
jovem-dentro
Jovem foi assassinado na CIC (Foto: Facebook)

Um rapaz de 18 anos, identificado como Pedro Gabriel Gardin, foi assassinado com dez tiros de pistola na esquina das Ruas Pedro Gusso com a Desembargador Cid Campelo, na Cidade Industrial de Curitiba (CIC). O crime aconteceu por volta das 20h deste domingo, no momento em que o jovem trafegava de motocicleta pela via pública.
jovem-dentro-2
Antes de atirar, homens derrubaram jovem de motocicleta (Foto: Colaboração)
Segundo a Polícia Militar (PM), um veículo Sportage preto, com alerta de roubo, bateu na motocicleta pilotada por Gardin. Assim que a vítima caiu, três pessoas desceram do veículo e executaram o rapaz a tiros, como explicou o socorrista Emerson, da ambulância médica do Siate do Corpo de Bombeiros.
“Fomos acionado para atender uma vítima de ferimento de arma de fogo. Chegando no local, era um jovem que foi atropelado por um veículo, prensado contra um muro. Depois disso, ele ainda levou vários tiros. No local, ninguém comentou nada sobre o que aconteceu”, explicou.
Na rede social Facebook, amigos postam mensagens de luto pela morte de Gardin. A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o caso.

DO PRÉ-SAL AO SUBMARINO NUCLEAR



A Lava Jato descobriu, a partir da análise detalhada de e-mails e anotações registradas em celulares apreendidos, que Antônio Palocci – "contando com importante e constante auxílio de seu assessor Branislav Kontic" - atuou em favor dos interesses do Grupo Odebrecht, entre 2006 e o final de 2013.
Palocci traficou influência para a tomada de decisão do governo federal em diversos temas.
a) a obtenção de contratos com a Petrobras relativamente a sondas do pré-sal;
b) a medida provisória destinada a conceder benefícios tributários ao grupo econômico Odebrecht (MP 460/2009)
c) negócios envolvendo programa de desenvolvimento de submarino nuclear - PROSUB;
d) financiamento do BNDES para obras a serem realizadas em Angola.
Diz o MPF que "a atuação de Palocci se deu inclusive no período em que exerceu relevantes funções públicas, envolvendo constante interlocução e diversos encontros".

UMA FAZENDA DE R$ 26 MILHÕES



Em 2012, o jornal Gazeta do Mato Grosso revelou a compra da Fazenda Dora Paulicéia por Juscelino Dourado, ex-assessor de Antonio Palocci, que também foi preso nesta manhã pela Lava Jato.
A reportagem cravava o valor do negócio: R$ 26 milhões.
A Polícia Federal também cumpriu mandados de busca na propriedade, localizada no km 15 da MT 130, que liga Rondonópolis a Poxoréo. A fazenda pertencia à empresária Dora de Castro e é fruto da divisão da AL Paulicéia, referência na criação de nelore no Brasil.
Dourado era o laranja de Palocci.

SETE BRASIL É PALOCCI



A Lava Jato descobriu, finalmente, que Antonio Palocci estava por trás da Sete Brasil. O ex-ministro foi o intermediário direto do projeto para a construção de 21 navios-sonda para o pré-sal.
Os investigadores possuem indícios suficientes para afirmar que o principal operador de Lula era o "italiano".

URGENTE, URGENTÍSSIMO: LULA GANHOU UM PRÉDIO



Lula também é alvo da Omertà.
Segundo a Veja, "a nova etapa das investigações sobre o petrolão apura também supostos favorecimentos ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por meio do Setor de Operações Estruturadas, considerado um departamento da propina da Odebrecht.
As suspeitas de novas benesses em favor de Lula teriam intermediação do pecuarista José Carlos Bumlai, já preso na Lava Jato. Investigadores que atuam no caso estimam que este flanco da apuração superaria o que foi descoberto de Lula sobre o tríplex no Guarujá e sobre o sítio de Atibaia. Os novos indicativos envolvem um prédio que seria destinado ao ex-presidente".

URGENTE, URGENTÍSSIMO: PALOCCI PRESO



Antonio Palocci foi preso na 35° fase da Lava Jato.
Fonte: G1.

Ex-ministro Antonio Palocci é preso na 35º Lava Jato


A Polícia Federal prendeu na manhã desta segunda-feira, a 35ª fase da Operação Lava Jato, o ex-ministro Antonio Palocci. Chefe da Fazenda no governo Lula e da Casa Civil no primeiro mandato de Dilma, Palocci é suspeito de atuar diretamente como intermediário dos interesses da Odebrecht, a maior empreiteira do país e cujo diretor-presidente, Marcelo Odebrecht, está atrás das grades desde junho do ano passado.
Considerada uma das fases mais importantes da Lava Jato, a nova etapa das investigações sobre o petrolão apura também supostos favorecimentos ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele próprio já réu em dois processos relacionados ao escândalo de corrupção na Petrobras, por meio do Setor de Operações Estruturadas, considerado um departamento da propina da Odebrecht. As suspeitas de novas benesses em favor de Lula teriam intermediação do pecuarista José Carlos Bumlai, já preso na Lava Jato. Investigadores que atuam no caso estimam que este flanco da apuração superaria o que foi descoberto de Lula sobre o tríplex no Guarujá e sobre o sítio de Atibaia. Os novos indicativos envolvem um prédio que seria destinado ao ex-presidente.
Batizada de Operação Omertà, em referência ao pacto de silêncio dos mafiosos, a 35ª fase da Lava Jato nesta segunda-feira recolheu evidências de que Palocci atuou deliberadamente para garantir que o Grupo Odebrecht conseguisse contratos com o poder público. Em troca, dizem os investigadores, o ex-ministro e seu grupo eram agraciados com propina. A atuação de Palocci foi monitorada, por exemplo, na negociação de uma medida provisória que proporcionaria benefícios fiscais, no aumento da linha de crédito junto ao BNDES para a Odebrecht fechar negócios na África e em uma interferência na licitação para a compra de 21 navios sonda para exploração da camada pré-sal.
Em agosto, VEJA revelou que, em suas negociações para a colaboração premiada, o ex-marqueteiro petista João Santana se dispôs a dizer aos investigadores do petrolão como os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega – Mantega foi alvo da 34ª fase da Lava Jato na última semana – haviam se encarregado de negociar o caixa paralelo na campanha de Dilma em 2014. Palocci é o personagem principal de um dos capítulos da delação de João Santana. Nele, além da “conta” que o ex-ministro detinha com empresas investigadas no petrolão, Palocci seria delatado ao lado do braço-direito Juscelino Dourado, que distribuía parte do dinheiro do caixa dois.