Palocci deve 128 milhões de explicações



Antonio Palocci deve ser interrogado pela PF amanhã, a partir das 14h, segundo a CBN.
O mandado de prisão temporária do petista expira na sexta-feira, mas o MP pode pedir prorrogação ou até mesmo prisão preventiva.
Os investigadores querem detalhes dos 128 milhões de reais recebidos da Odebrecht.

Odebrecht, Palocci e... Dilma



Um e-mail de Marcelo Odebrecht para seus executivos mostra que o empreiteiro participou, em 2011, de uma reunião com Antonio Palocci e Dilma Rousseff que não está registrada na agenda oficial da Presidência. Assunto, segundo o Correio Braziliense: contratação de navios-sondas para o pré-sal.
Segundo a PF, três meses depois do encontro, ocorrido no dia 12 de maio, no Palácio do Planalto, a Odebrecht fechou contrato com a Petrobras e a Sete Brasil.
“A conclusão que se toma é que Antonio Palocci Filho, a pedido de Marcelo Bahia Odebrecht, supervisionou e conduziu aspectos e mudanças nas negociações e tratativas que culminaram no procedimento licitatório da Petrobras iniciado pelo Convite Internacional nº 0966646118, o qual ensejou contratos de afretamento e operação de unidades de perfuração marítima do tipo navio-sonda para a Odebrecht Óleo e Gás”, diz o texto da PF.

Quem precisa da Odebrecht?



A PF reclama porque a PGR está fechando acordos com criminosos que deveriam permanecer na cadeia.
Diz o Valor:
“Um ponto de constante discórdia é a maneira como os procuradores têm utilizado o instrumento da delação premiada. Na avaliação de policiais ouvidos pelo Valor, em condição de anonimato, a PF dispõe de outras formas de investigar, como quebras de sigilos bancários, fiscal e telefônico, além de cruzamentos de dados, que tornam a delação premiada menos necessária. A Lava Jato já conta com 72 delatores, número que poderá saltar para até 130, caso o herdeiro do Grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, e dezenas de executivos e ex-executivos ligados à empresa firmem acordo de colaboração premiada.
Mesmo na força-tarefa do MPF, em Curitiba, existem dúvidas sobre a necessidade de Marcelo Odebrecht tornar-se delator. Muito do que ele tem a revelar já é de conhecimento dos investigadores, que têm acesso às provas do Setor de Operações Estruturadas e a uma quantidade gigantesca de dados e informações obtidos em ações de busca e apreensão”.

A presidente rejeitada



O ministro José Múcio Monteiro, segundo o Estadão, vai recomendar a rejeição das contas do governo Dilma Rousseff em 2015, acolhendo o parecer da área técnica do TCU.
“Após avaliar a defesa apresentada pela presidente cassada, a Secretaria de Macroavaliação Governamental do TCU manteve o entendimento de que a gestão Dilma cometeu ao menos 15 irregularidades de maior gravidade, incluindo aquelas que serviram para embasar o processo de impeachment no Senado. Trata-se das pedaladas com recursos do Plano Safra, do Banco do Brasil, e da edição de decretos de suplementação orçamentária em desacordo com a lei”.