O 'AMIGO' QUE RECEBEU 23 MILHÕES DA ODEBRECHT

 


A Lava Jato está mais próxima de descobrir quem está por trás do codinome "amigo" que aparece nas planilhas da Odebrecht associado à propina de R$ 23 milhões.
Nos autos do pedido de prisão preventiva de Antonio Palocci, a Polícia Federal anexou vários emails e mensagens de celular em que Marcelo Odebrecht e outros executivos do grupo se referem a um certo "amigo" de Emílio Odebrecht.
Esse amigo é Luiz Inácio Lula da Silva.
Ao longo do relatório da PF há, pelo menos, 50 menções a Lula como o "amigo". Essas menções se referem, na maioria dos casos, a projetos de interesse da Odebrecht que eram acompanhados de perto pelo ex-presidente.
No mesmo conjunto de mensagens em que Lula aparece como o "amigo", Palocci é o "italiano", João Santana é o "feira" e Gilberto Carvalho é o "seminarista". A lógica é implacável.
positalia


ONDE ESTÃO OS COMPUTADORES, PALOCCI?



Como mostramos em post anterior, a PF verificou nas buscas feitas na Projeto Consultoria, de Antonio Palocci, que os gabinetes das CPUs foram retirados dos computadores.
Branislav Kontic disse que foram retirados por que estavam velhos. Então tá.

As promessas de Lula à Odebrecht



Lula prometeu "destravar" as obras da Odebrecht.
Diz o Estadão:
"Em um e-mail de janeiro de 2005 enviado por Marcelo Odebrecht para executivos do grupo ele afirma que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria se disponibilizado para 'ajudar a destravar qualquer dificuldade para fazer acontecer'".
O documento, em poder da Lava Jato, integra o pedido de conversão da prisão de Antonio Palocci:
“Lula ficou de eleger 3 projetos e conduzir o assunto através de um grupo (Palocci, Dilma e Min. Transportes) ficando disponível para ajudar a ‘destravar’ qualquer dificuldade para fazer acontecer”.
E também:
“Segue a agenda que meu pai repassou com Lula em sua reunião de 6ª.

COLUNA DA SANTA CASA DE COLOMBO: VIRTUDES




Das Sete Virtudes descritas por Prudêncio, poeta romano e cristão, ouso destacar três que nos acompanham nessa caminhada junto à Santa Casa de Colombo: Paciência, Resiliência e Humildade.

  Os primeiros meses de reabertura da Santa Casa exigiram paciência para aguardar decisões, pareceres, agendas de representantes de instituições e as mais diversas situações que a reabertura de um hospital exige. Temos experiência o suficiente para entender os fluxos e processos desse trabalho para agir com cautela.

  Desde o início dessa era ficou claro o quanto seria laborioso retomar a Instituição do hiato de seu fechamento. Não houve um único dia desde então no qual nossa equipe não fosse questionada de nossa capacidade, qualidade e intenção. Nossas respostas são dadas com trabalho e essa sempre será nossa postura. Nós acreditamos em nós mesmos. A resiliência de nosso grupo é grande, pois grandes desafios são diários e a luta árdua.

  A Humildade, mãe de todas as virtudes nos faz entender que nenhuma vitória foi de um único indivíduo, que nossa caminhada se dá apenas porque existem pessoas que acreditam e confiam em nosso trabalho. Pessoas que nos estendem as mãos.

  Pouco tempo se passou entre a fala do presidente do Conselho Regional de Medicina, autorizando nossa reabertura e o discurso do Ministro da Saúde que aconteceu nessa semana, falando sobre importância da Santa Casa de Misericórdia de Colombo para o município e Região Metropolitana.

  Ambos falaram em nosso saguão de frente à nossa capela. Falas que representam nossas lutas e conquistas. Palavras que deixam a certeza de que a tríade Paciência, Resiliência e Humildade nos conduzem pelo caminho correto.


  AbraSUS!

A Braskem nas planilha do italiano


A PF descobriu que a Braskem, controlada pela Odebrecht e pela Petrobras, também pagou propina para o “italiano”.
Diz o Estadão:
“Os registros são de entregas de dinheiro em espécie em endereços de duas empresas de publicidade e comunicação, em São Paulo, com Braskem como uma das fontes de recursos.
Nesses mesmos locais, estão os registros de pagamentos ordenados ‘por Marcelo Odebrecht’ efetuados a ‘João Santana/Mônica Moura (Feira) e outros beneficiários ainda não identificados’”.
Nos casos investigados até agora, o dinheiro roubado da Petrobras passava pelas empreiteiras antes de chegar ao PT. No caso da Braskem, que é da Petrobras, o dinheiro roubado da estatal foi transferido diretamente para as contas do PT no exterior.

JD é JD



O operador de Antonio Palocci, Juscelino Dourado, disse à PF que ele não é o JD das planilhas da Odebrecht.
Mas as mensagens de Marcelo Odebrecht mostram que até o número de telefone de JD é igual ao número de telefone de Juscelino Dourado.
Assim como o “italiano”, JD vai passar os próximos vinte anos na cadeia.