EXCLUSIVO: BRUNO ARAÚJO NA DELAÇÃO DA ODEBRECHT



Claudio Melo, ex-VP de Relações Institucionais da Odebrecht, também entregou o deputado tucano Bruno Araújo, ministro das Cidades. Bruno já aparecia nas planilhas do departamento da propina da empreiteira. Melo confirmou os repasses.

EXCLUSIVO: RENAN, CODINOME 'JUSTIÇA



Claudio Melo, o ex-VP de relações institucionais da Odebrecht, também apontou repasses de propina para Renan Calheiros, que recebeu o codinome "justiça" nas planilhas do Setor de Operações Estruturadas.
Renan foi ministro da Justiça de FHC.

Fachin libera denúncia contra Renan Calheiros para julgamento no STF


Denúncia aponta que senador pagou despesas com propina de construtora.
Caberá à presidente do STF marcar data; Renan nega teor da denúncia.

Mariana OliveiraDa TV Globo, em Brasília
O ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (4) para julgamento no plenário da Corte a denúncia apresentada pela Procuradoria Geral da República contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O senador foi acusado de ter despesas de uma filha com a jornalista Mônica Veloso bancadas por uma empreiteira.
Caberá à presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, marcar a data do julgamento. O plenário do Supremo terá que decidir se abre ou não ação penal e transforma o presidente do Senado em réu.
A denúncia foi feita pela Procuradoria Geral da República há mais de três anos e meio, mas ainda não foi analisada. Na decisão, Fachin afirmou que a partir de agora vai elaborar o relatório sobre a denúncia e levar o inquérito para o plenário decidir se abre ou não ação penal.
saiba mais

Renan foi acusado em janeiro de 2013 por crimes de peculato, falsidade ideológica e uso de documento falso por supostamente ter recebido propina da construtora Mendes Júnior.
Nesta terça, em entrevista a jornalistas no Senado, Renan Calheiros comentou a decisão de Fachin e disse que não tem "medo" das denúncias, além de ter colaborado com as investigações.

"Não tenho nenhum receio, nenhum medo [...] Abriram investigações, eu compareci para prestar depoimentos, vou comparecer quantas vezes for necessário. E acho que, ao final e ao cabo, nós vamos arquivar todas as denúncias", declarou.

Conforme a denúncia da Procuradoria, Renan Calheiros forjou documentos para justificar o dinheiro que recebeu da construtora e enriqueceu ilicitamente. O episódio envolvendo Mônica Veloso, desvendado em 2007, levou Renan à renúncia do cargo de presidente do Senado.
Ele nega ter tido as despesas pagas com dinheiro público e disse, em fevereiro, que a denúncia é um "excesso" do STF.
No mesmo mês, o caso chegou a entrar na pauta de julgamentos do plenário do Supremo, para o tribunal decidir se abriria ou não ação penal contra o senador, mas foi retirado de pauta pelo relator, o ministro Fachin, por conta de "diligências" pendentes, ou seja, verificação de provas.
A Procuradoria apontou prescrição em parte dos crimes de falsidade ideológica e uso de documento falso atribuídos a Renan, mas reafirmou "sua convicção de que já estavam presentes indícios suficientes para o recebimento da denúncia" e pediu urgência porque há risco de prescrição de mais crimes.
Na avaliação do ministro, porém, a urgência não se apresenta porque as acusações de peculato e falsidade ideológica de documento público só prescrevem em 2019.
Renan Calheiros também é investigado em outros onze inquéritos no Supremo, sendo oito relacionados à Operação Lava Jato, por suspeita de participação dele no esquema de desvio de dinheiro da Petrobras.

Por que a PGR não quis a delação de Danielle



A delação de Danielle Fonteles, da Pepper, foi feita pela Polícia Federal. A PGR fez de tudo para evitar sua homologação, porque não queria perder o monopólio das negociações de acordos de colaboração.
A decisão de Herman Benjamin, do STJ, coloca o debate em outro patamar. E o STF está muito interessado no caso.

EXCLUSIVO: VP DA ODEBRECHT ENTREGA JUCÁ



O Antagonista apurou que Claudio Melo Filho, ex-VP de Relações Institucionais da Odebrecht, confirmou à Lava Jato o pagamento de propina ao senador Romero Jucá.
Segundo Melo Filho, o ex-ministro do Planejamento de Temer era identificado nas planilhas da propina pelos codinomes "Cacique" e "Caju".
O apelido "Caju", inicialmente associado a José Eduardo Dutra, aparece na planilha "SOLICITAÇÕES ESPECIAIS", com pagamentos ilícitos efetuados entre agosto e outubro de 2010.
O codinome "Caju" aparece ainda associado a repasses em mais uma dezena de planilhas.

DANIELLE ENTREGOU DILMA



Danielle Fonteles confirmou, em delação à PF, que a Andrade Gutierrez pagou por serviços para a campanha de Dilma Rousseff. Os famosos R$ 6 milhões delatados por ex-executivos da empreiteira na Lava Jato.
Ela também admitiu repasses da Queiroz Galvão para uma conta na Suíça.

EXCLUSIVO: O BILIONÁRIO 'ITALIANO' US$ 348 milhões em Miami



A Lava Jato foi informada de que Antônio Palocci teria US$ 348 milhões depositados numa conta de um banco em Miami. Os R$ 61 milhões facilmente encontrados em suas contas bancárias no Brasil são, portanto, meros trocados.
Para chegar a Miami, os investigadores farão escala em Araçatuba.

O QUE DANIELLE NÃO ENTREGOU



Não consta que Danielle Fonteles tenha contado à PF sobre os repasses semanais que recebia do PT por supostos serviços da Pepper. Começaram em R$ 15 mil, mas chegaram a R$ 150 mil por semana.
A delatora parece que também não falou da história de um certo achaque de R$ 10 milhões que teria sofrido no início da Acrônimo.

STF mantém Lula com Moro



Lula não consegue escapar de Sérgio Moro.
A Segunda Turma do STF manteve a decisão de Teori Zavascki que negou a remessa para a Corte dos inquéritos contra Lula que estão em Curitiba.

TEORI CRITICA PROCURADORES DA LAVA JATO



Teori Zavascki criticou os procuradores da Lava Jato, há pouco, durante a sessão da Segunda Turma do STF.
O ministrou afirmou que a entrevista para apresentar a denúncia contra Lula não condiz com a seriedade da investigação.
"Esse episódio (a entrevista) não é compatível com seriedade desses fatos."

EXCLUSIVO: A PROPINA PARA DILMA



Fernando Migliaccio disse ao MPF que acertou com Dona Xepa os pagamentos de propina para a campanha de Dilma Rousseff.
A Lava Jato já sabia disso, mas o delator da Odebrecht vai ajudar a demolir a defesa da presidente cassada.


COLUNA DA ROSANE DO CARMO: Sexualidade feminina





Este mês de outubro é considerado, outubro rosa, mês dedicado a saúde da mulher.
E porque não falar sobre a sexualidade?

Que também faz parte da saúde, e muitos por vergonha ou preconceito preferem fecharse
em silêncio.

A mulher lutou tanto pelo espaço na sociedade, por direitos iguais, que acabou passando
uma impressão de “super mulher”, muitas se vulgarizaram e deixaram de demonstrar a
fragilidade que existe dentro dela. Acham que expor o corpo as fazem melhores, ou mais
desejadas.

Estudos comprovam que a mulher tem a sexualidade menos aflorada que o homem, mas
isso não significa que ela não tem vontades e desejos.

Toda mulher gosta de dar e sentir prazer, alguns tabus criados, colocaram-na, como
alguém que deve servir apenas, e não demonstrar o que sente, que tem vontade, mas não
é assim. Ela deve saber que não há nada que proporcione maior satisfação, do que ser
desejada, mas para isso é preciso se conhecer intimamente, preciso aprender a se amar,
se valorizar, se tocar, a permitir ter prazer. É preciso um momento só dela, onde terá
contato físico com seu corpo, poderá relaxar, e perceber o quanto pode ter prazer.
Isso de todas as formas. Nao precisa exatamente de um parceiro, mas sim querer se
permitir a isso.

E quando se está com alguém, conversar, procurar falar e soltar-se para que os dois
possam se realizar intimamente. Não ter medo de dizer quais são os seus desejos e
vontades, e realizá-los sempre que quiser..

Importante mesmo, é a mulher se conscientizar que precisa do seu espaço, cuidar de sua
saúde, e que o sexo também faz parte da saúde física e mental, e é fundamental para
isso. Mas para que tudo possa acontecer de maneira satisfatória e agradável, e
precisovisite sempre seu medico, faça os exames periódicos, semestral ou anual, faça o
auto exame da mama, os exames preventivos.

Procure a unidade de saúde mais próxima de sua residência e esclareça sempre qualquer
dúvida, pois a equipe sempre estará para orientar sobre qualquer assunto. E mantenha
sempre um bom diálogo com quem está ao seu lado, mas não esquecer: ser mulher é se
se descobrir, se valorizar e se amar.

Se permita a isso.

Romor123@icloud.com

Abraços
Rosane do Carmo

EXCLUSIVO: O FAZ-TUDO DE GLEISI




O chefe do Setor de Propinas da Odebrecht, Fernando Migliaccio, não repassou dinheiro a Gleisi Hoffmann apenas por meio de seu marqueteiro.
Ele contou ao MPF que os repasses foram feitos também por meio de "Bruno".
O Antagonista sabe de quem se trata:
O faz-tudo de PB e Gleisi
Em diversas planilhas de pagamentos de despesas de Paulo Bernardo e Gleisi Hoffmann, aparece o nome do petista Hernany Bruno Mascarenhas.
Em e-mail a Marcelo Maran, o advogado-lobista Guilherme Gonçalves trata do pagamento do 13° de Hernany, uma espécie de faz-tudo de Gleisi e Paulo Bernardo, quando ambos eram ministros de Dilma Rousseff.
"Ele é meio mala, mas está me dando uma PUTA tranquilidade em relação a Manuela, e está sendo eficiente quando os ministros precisam - e isso não tem o que pague!”

EXCLUSIVO: GLEISI NA LISTA DA ODEBRECHT



Fernando Migliaccio, chefe do Setor de Propinas da Odebrecht, entregou também Gleisi Hoffmann.
Ele disse aos procuradores que, a pedido de Marcelo Odebrecht, repassou dinheiro ao marqueteiro da senadora petista.
O Antagonista sabe de quem se trata:
O dono da Sotaque Brasil, a agência de propaganda que recebeu dinheiro sujo da Odebrecht, é Oliveiros Domingos Marques Neto.
Ele é dono também da Loducca.
O Diário do ABC, em 2009, mostrou seu vínculo com Luiz Marinho, o amigo do Lula:
"Oliveiros Domingos Marques Neto, do grupo Loducca, que atua no Ministério da Previdência Social, participará da licitação de publicidade da Prefeitura de São Bernardo. No certame, ele inscreveu outra empresa na qual é ligado, a Sotaque Brasil Publicidade e Propaganda, de Brasília.
No período em que o prefeito Luiz Marinho (PT) comandou o ministério - de 29 de março de 2007 a 4 de junho de 2008 - a Loducca recebeu R$ 6,2 milhões da Pasta para o serviço de publicidade de utilidade pública, segundo o Portal da Transparência. Entre 2004 e junho deste ano, a Previdência pagou R$ 21,52 milhões à empresa. O ano em que a companhia de Oliveiros recebeu a maior quantia foi 2008, quando angariou R$ 7,03 milhões dos cofres públicos federais.
No meio político, Oliveiros Domingos Marques Neto é conhecido por transitar entre petistas".

PMDB tem maior número de prefeitos, mas PSDB foi o partido que mais cresceu


Da Agência Brasil

PSDB saiu do primeiro turno da eleição municipal deste ano como o partido que mais cresceu na comparação com os resultados do pleito anterior, em 2012. Em número de prefeituras conquistadas na eleição de domingo (2), o partido ficou em segundo lugar, atrás do PMDB. O PSDB, que elegeu 695 prefeitos há quatro anos, conquistou agora, no primeiro turno, 793 prefeituras, com crescimento de 14%, e está na disputa do segundo turno em vários municípios.
O PT, que em 2012, havia conquistado 638 prefeituras, caiu para 256 cidades e passou a ser o décimo colocado no rankingdos partidos.
Apesar de não ter passado para o segundo turno no Rio de Janeiro, segundo maior colégio eleitoral do país, o PMDB manteve-se como o partido com maior número de prefeituras. O PMDB fez 1.021 prefeitos em 2012 e, este ano, elegeu 1.028. O PSD passou de 498 prefeitos eleitos em 2012 para 539 neste ano e é a terceira legenda com mais vitórias. Em seguida, vem o PP, que tinha 476 eleitos há quatro anos e agora tem 496.
Mesmo perdendo 46 prefeituras em relação ao último pleito, o PSB é o quinto partido com mais vitórias nesta eleição municipal: 416. Atrás do PSB, ficou o PDT, que conquistou 27 prefeituras a mais do que em 2012, passando de 307 para 334. O PR conquistou 20 prefeituras a mais do que 2012 e passou de 275 para 295, ficando na sétima posição. O DEM perdeu 13 prefeituras, na comparação com 2012, e aparece em oitavo lugar, com 265 prefeituras.
Com 262 vitórias este ano, o PTB encolheu em 37 cidades e está logo à frente do PT, que perdeu 382 prefeituras na comparação com 2012.
Os dados deste ano consideram o resultado em 5.507 cidades em que a disputa foi finalizada no primeiro turno. Em 55 municípios, o pleito foi para o segundo turno e, em seis, o resultado depende ainda de decisão judicial.
Nacionalização do pleito
Para o cientista político e professor do curso de relações internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) Maurício Santoro, o cenário político nacional atual influenciou diretamente no resultado das eleições municipais. Para Santoro, a perda de votos do PT deve-se ao fato de o eleitor atribuir à sigla a culpa pela recessão econômica e pelos casos de corrupção investigados na Operação Lava Jato. “O PMDB e o PSDB se beneficiaram muito do clima contra a [presidenta cassada] Dilma [Rousseff] e contra o Lula, e surfaram nessa onda”, afirmou Santoro.
“Houve uma influência das questões nacionais para o bem ou para o mal. A gente não entende a derrota do [Fernando] Haddad [candidato à reeleição na capital paulista pelo PT] sem considerar esse quadro político mais amplo de uma rejeição muito grande ao PT. Se o PMDB e o PSDB foram os dois grandes vencedores, o PT é o grande derrotado”, acrescentou.
Já o professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal da Bahia (UFBA) Jorge Almeida disse que o resultado de ontem (2) é reflexo de uma eleição “atípica”. Para Almeida, normalmente é comum existir algum grau de nacionalização de campanhas municipais, o que não se verificou no primeiro turno.
“O cenário só vai se completar quando terminar o segundo turno, mas, de modo geral, o critério para as eleições foram mais as questões municipais. Como regra geral, ninguém queria nacionalizar as campanhas. No campo do atual governo, os candidatos fingiram que não existia governo federal e os ligados ao PT, como regra geral, não exploraram muito essa proximidade”, ressaltou o professor.
Santoro destacou que, embora o resultado do primeiro turno represente uma vitória da base aliada ao governo, os candidatos fizeram a campanha procurando se distanciar do presidente Michel Temer. “Eles não transformaram Temer em um cabo eleitoral. Não foram com ele para comícios, para a praça pública, porque a figura do presidente é impopular, por causa da agenda [de ajuste fiscal e de reformas da Previdência e trabalhista] que ele está implementando, e as controvérsias com relação ao impeachment”, enfatizou Santoro.

Greve dos bancários está perto de ser a maior dos últimos anos e nem sinal de acordo; entenda o impasse


Redação

greve-banco
Foto: Joka Madruga/SEEB Curitiba

A greve nacional dos bancários completa nesta terça-feira (4) 29 dias e amanhã(5) a paralisação deve se igualar à maior dos últimos anos, ocorrida em 2004, quando os bancários cruzaram os braços por 30 dias. A greve mais longa da história da categoria aconteceu em 1951 quando durou 69 dias. E, até o momento, não há possibilidade de acordo. Não há nenhuma rodada de negociação agendada entre bancários e banqueiros nos próximos dias. Ontem (3), houve assembleias em todo o país, mas apenas para avaliar a paralisação.
Mais de 80% dos bancários de Curitiba e região permaneciam em greve nesta segunda-feira, segundo o sindicato da categoria. Na capital paranaense, são 361 agências paralisadas, além de nove Centros Administrativos e cinco financeiras.
Na última negociação, que aconteceu no dia 28 de setembro, a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) manteve pela terceira vez consecutiva a proposta de 7% de reajuste para este ano, mais abono de R$ 3.500, e ofertou 0,5% de aumento real para 2017. O Comando Nacional dos Bancários rejeitou a proposta em mesa, por representar perdas aos trabalhadores. A categoria reivindica reajuste de 14,78% (inflação do período mais aumento real de 5%), Participação nos Lucros e Resultados de três salários mais R$8.317,90 de parcela fixa adicional, piso de R$3.940,24 (mínimo do Dieese) e 14º salário.
“Este ano, os bancos estão tratando os trabalhadores com ainda mais descaso. A intransigência dos banqueiros demonstra que eles estão dispostos a golpear os direitos dos bancários, colaborando com o ajuste fiscal promovido pelo atual governo. Esta conta não é nossa e não vamos pagar pela crise”, avalia Elias Jordão, presidente do Sindicato dos Bancários de Curitiba e região.

Motorista que entregava pão em Santa Felicidade é sequestrado por bandidos; um foi preso


Por Elizangela Jubanski e Antônio Nascimento


Um motorista que estava sendo mantido refém foi liberto pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, na noite desta segunda-feira (3). O sequestro aconteceu no bairro Santa Felicidade e a dupla de bandidos entrou na contramão na BR-476 ao cruzar com uma viatura da PRF. Um foi preso e outro conseguiu fugir.
A vítima fazia entregas de pão na região do bairro Santa Felicidade com um veículo Master Renault quando foi abordada pelos bandidos. Ele foi colocado na parte de trás do carro, enquanto um o mantinha sob a mira de uma pistola e o outro dirigia o carro do motorista.
O policial rodoviário federal Stenhause disse à Banda B que a dupla entrou na contramão ao cruzar com uma viatura. “A viatura estava fazendo uma patrulhamento, uma ronda rotineira e viram esse veículo suspeito. Quando tentaram abordar, ele fugiu pela contramão da rodovia, entrando em uma via municipal pela contramão e batendo em vários veículos”, descreveu.
Logo depois, a dupla abandonou o veículo e correu em direção a um matagal. “A uns dois mil metros abandonaram o veículo, saíram correndo, derrubaram o carregador de um pistola 380. Um foi preso e outro conseguiu fugir. O refém estava dentro do carro”, finalizou.
Assustado, mas sem ferimentos, o motorista refém foi levado para uma avaliação no hospital e liberado. Um dos bandidos foi preso em flagrante e o outro está foragido. A arma não foi encontrada.

É o dia de Giles?


A PF já prendeu Giles Azevedo?
A dona da Pepper disse que, orientada pelo principal assessor de Dilma Rousseff, recebeu dinheiro sujo para a campanha eleitoral por meio de falsos contratos com a Propeg, que repassou propina da Andrade Gutierrez, da OAS e da Odebrecht.


EXCLUSIVO: DELATOR ENTREGA PALOCCI E MANTEGA



Fernando Migliaccio, o chefe do Setor de Propinas da Odebrecht, entregou o Italiano e o Pós-Itália.
Na lista que o delator preparou para a Lava Jato – e à qual O Antagonista teve acesso –, ele revelou que o Italiano é, de fato, Antonio Palocci, e que o Pós-Itália é, de fato, Guido Mantega.
Ele revelou também que Brani, o assessor de Antonio Palocci, visitou-o diversas vezes em seu escritório, no prédio Villa-Lobos.
E que Guido Mantega foi incluído na planilha da propina por ordem direta de Marcelo Odebrecht, que acertou o esquema com João Santana.

PF NA PROPEG



Um dos alvos da PF na Bahia é a agência de propaganda Propeg.
Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, disse que Marcio Fortes, ministro das Cidades do governo Lula, recebeu 1 milhão de reais de um esquema para dar a conta da pasta à Propeg, em 2010.