Moro: "Supremo não pode ser Corte criminal


Na entrevista ao Estadão, Sérgio Moro também ter se manifestou contra o foro privilegiado.
Segundo ele, existem "problemas estruturais" que limitam a capacidade do Supremo de julgar tantos políticos envolvidos em crimes.
"Tem o Supremo condições de enfrentar toda essa gama de casos? Não que o Supremo não seja eficiente, mas é um número limitado de juízes e é uma estrutura mais limitada."
"O Supremo não tem só esse trabalho à frente, tem todos casos constitucionais relevantes e não pode se transformar simplesmente em uma Corte criminal."
Para Moro, uma saída seria "restringir o foro privilegiado a um número menor de autoridades".
"Quem sabe, os presidentes dos três Poderes e retirar esse privilégio, essa prerrogativa, de um bom número de autoridades hoje contempladas. Acho que seria a melhor solução."

Moro: "Jamais entraria para a política"


Sérgio Moro também garantiu ao Estadão que a política está absolutamente fora de seus planos. Ele disse que "jamais" será candidato a um cargo eletivo.
"Sou um homem de Justiça e sem qualquer demérito, não sou um homem da política. Acho que a política é uma atividade importante, não tem nenhum demérito, muito pelo contrário, exitem muitos méritos em quem atua na política, mas eu sou um juiz, eu estou em outra realidade, outro tipo de trabalho, outro perfil. Então, não existe jamais esse risco."
Ouviu, Reinaldão? 

Sérgio Moro vai prender Lula?



O Estadão perguntou a Moro aquilo que todos os brasileiros querem saber. Eis a resposta:
“Estado – O sr. vai mandar prender o Lula?
Moro – Esse tipo de pergunta também não é apropriado, porque a gente nunca fala de casos pendentes.
Estado – A defesa do ex-presidente alega suspeição do sr reiteradamente.
Moro – Como juiz, eu tenho uma série de limitações sobre o que eu posso e o que eu não posso falar. Uma das minhas proibições é falar sobre casos pendentes. Então, sobre casos que ainda não foram julgados, eu não tenho condições de fazer qualquer afirmação.”
Mas nós sabemos a resposta.

Timão, Amigo e Janete no Itaquerão


A propina do estádio do Corinthians não foi apenas para o codinome Timão.
De acordo com a Veja, Lula e Dilma Rousseff foram pagos para liberar o dinheiro do BNDES e da Caixa.
Como disse O Antagonista alguns meses atrás, codinome Amigo e codinome Janete recheara

ANDRÉS SANCHEZ: CODINOME TIMÃO


Segundo a Veja, a Lava-Jato encontrou indícios de que o ex-presidente do Corinthians e atual deputado federal Andrés Sanchez (PT-SP) recebeu R$ 500 milhões em propinas da Odebrecht em 2014. O dinheiro foi repassado, via caixa dois, para a campanha de Sanchez à Câmara.

Fuga de Lula preocupa governo


José Serra procurou Michel Temer para expressar sua preocupação com as gestões de Lula junto à ONU. Assim como O Antagonista, o chanceler acredita que o petista tenta criar o cenário perfeito para um futuro pedido de asilo.
Temer mandou Serra acompanhar de perto a questão, segundo a Veja.

AGORA É TARDE, DUDA


Duda Mendonça, além de Paulo Skaf, também quer delatar os pagamentos ilegais das campanhas de Fernando Pimentel, Lindbergh Farias e Hélio Costa.
Agora é tarde, querido. Como revelamos em setembro, a Lava Jato já descobriu que o publicitário recebeu "dinheiro espúrio" da Odebrecht e a empreiteira entregou os detalhes em sua delação.
Não sobrou nada para Duda delatar, coitado.

DUDA MENDONÇA TAMBÉM RECEBEU

Brasil  20:12
Na análise dos endereços de entrega de propina, os investigadores da Lava Jato também identificaram remessas para José Eugênio de Jesus e Samuel Vieira Martins da Silva.
Eugênio era diretor financeiro da agência de Duda Mendonça, enquanto Samuel era o motoboy do publicitário.
"Há, assim, indícios de que as pessoas indicadas para recebimento de recursos em hotel situado em São Paulo/SP, operacionalizado pelo Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, tenham sido apenas intermediários da transferência de dinheiro espúrio em espécie para Duda Mendonça."
Para aprofundar a investigação, foi solicitada busca nos endereços de Eugênio.

O último refúgio de Lula


O último refúgio de Lula não é o Uruguai, mas a Presidência da República.
Marco Aurélio Mello disse ao Globo que "um candidato a presidente da República que seja réu em primeira instância pode disputar e até tomar posse, se for eleito".
Relator da ação que proíbe réus na linha sucessória da Presidência da República, o ministro defende a exceção à regra, pois "a Constituição determina que um presidente não pode ser responsabilizado por atos estranhos ao mandato".

GRAÇA PEDIU, MAS NÃO LEVOU



Como O Antagonista revelou, Renato Duque entregou Graça Foster em sua delação premiada. Ele contou aos procuradores que a ex-presidente da Petrobras pediu R$ 1 milhão em propina.
Segundo Duque, ela pediu a contribuição para 'agilizar' algumas obras que estavam enfrentando dificuldades. Duque prometeu pagar, mas não cumpriu o combinado.

DUQUE É O ELO DO ESQUEMA CRIMINOSO



Renato Duque, como O Antagonista revelou, tem um arsenal contra Lula e Dilma.
Como principal operador da cúpula do PT na Petrobras, o ex-diretor de Serviços apresentou à força-tarefa da Lava Jato em Curitiba um quadro complementar ao de Emílio e Marcelo Odebrecht.
O elo da corrente que prenderá o Nine.