Aluguel de mansão usada por ex-ministra para fazer lobby custa R$ 25 mil


Imóvel pertence a um lobista que era amigo do ex-ministro José Dirceu

BÁRBARA LOBATO
13/11/2016 - 14h00 - Atualizado 13/11/2016 14h00
Ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra (Foto: Celso Junior/Estadão Conteúdo)
A mansão que a ex-ministra da Casa Civil Erenice Guerra ocupava em Brasília para fazer lobby foi desocupada e está para ser alugada por R$ 25 mil. Seu proprietário é outro lobista, próximo do ex-ministro José Dirceu. 

RECOMENDADO PARA VOCÊ

De passagem pelo Brasil, maior avião do mundo pousa em Campinas; assista vídeo


estadao-5-8-3-6-1-1-4-4-3
(Fotos: SUAMY BEYDOUN/AGIF/ESTADÃO CONTEÚDO)
O Antonov An-225 Mriya, o maior avião do mundo, único do seu modelo dedicado ao transporte de cargas de grandes proporções, pousou no aeroporto de Viracopos, em Campinas, no interior de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (14). O próximo destino serão São Paulo, capitla, e depois o Chile
Assista ao vídeo da chegada do avião (reprodução WhatsApp):




O gigante só à noite chega a Guarulhos, onde será carregado com um transformador de 155 toneladas que vai tirar uma cidade chilena inteira da escuridão. Segundo o aeroporto, esta será a maior carga já transportada na história da aviação brasileira e a segunda no mundo.
O pouso do Antonov não afeta a operação regular do aeroporto, mas requer cuidados especiais. “Tivemos de redesenhar o pátio, já que a operação de carregamento deve ocupar o espaço de sete aeronaves”, explica o comandante Miguel Dau, diretor de Operações da GRU Airport, concessionária do aeroporto que em 2015 passou por obras de alargamento das pistas para receber aviões de grande porte, como o An-225 e o Airbus A380, o mvaior avião de passageiros do mundo. Sem a reforma, a única alternativa seria transportar o transformador pelo mar – as estradas dos Andes não comportariam um caminhão grande o suficiente. A operação será transmitida pelo Facebook da concessionária.
Assim como aconteceu quando a Emirates voou de Dubai para Guarulhos com o A380, a chegada do Antonov deve atrair curiosos apaixonados por aviação. Sem acesso às áreas restritas, observadores como Douglas Barbosa, de 25 anos, se encontram às margens do aeroporto para assistir ao pouso. “É um momento único, que atiça a curiosidade até de quem não é aficionado por aviação”, diz o assistente administrativo, que organiza eventos de observação pelo País e deve acompanhar o pouso do An-225 em Viracopos. “Ver o Antonov de perto vai ser surreal. Ele é o ápice da aviação. É inacreditável que algo tão grande possa voar ”
Além do Antonov, outros aviões icônicos também devem passar por Guarulhos amanhã, como o Boeing 757 da banda Guns N’ Roses, o trijato MD-11F, cuja versão de passageiros era usada pela Vasp em voos intercontinentais, e o também soviético Ilyushin IL-96, num voo fretado da Cubana de Aviación. “Eventos assim consolidam a imagem do aeroporto como uma opção cargueira e provam uma capacidade de flexibilidade operacional para receber qualquer tipo de operação”, explicou o comandante Dau.
Herança Soviética – Durante a Guerra Fria, enquanto os americanos transportavam o Space Challenger num Boeing 747 de 1966 e adaptado pela Nasa, os soviéticos desenvolveram seu próprio gigante para carregar o ônibus espacial Buran pelos ares Foi aí que, em 1988, surgiu o primeiro e até hoje único exemplar do An-225 Mriya.
Após a queda da União Soviética e o cancelamento do seu programa espacial, o An-225 sucumbiu por anos em um cemitério de aviões na Ucrânia. Só em 2001 um grupo de empresários russos decidiu reformá-lo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

Mudanças na Medida 17



Além de eliminar a Medida 18, que parecia redigida contra Sérgio Moro e a força-tarefa da Lava Jato, Onyx Lorenzoni também prometeu a Deltan Dallagnol mexer no texto da Medida 17 - que aumentaria o alcance da ação popular.
Para o MPF, a iniciativa da Ajufe e da OAB poderia ser usada politicamente contra pessoas ou empresas.

Mulher de Cunha será interrogada por Moro na quinta-feira


Agência Brasil

PR - POLÍCIA FEDERAL/DIA DE VISITAS - GERAL - Cláudia Cruz, esposa do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), chega para visitá-lo na sede da Polícia Federal, em Curitiba (PR), na manhã desta quarta-feira (26). Preso na última quarta (19) em Brasília, Cunha foi para Curitiba, onde deverá ficar detido por tempo indeterminado, por ordem de Sérgio Moro, que conduz a Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal. 26/10/2016 - Foto: RODRIGO FÉLIX LEAL/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Cláudia Cruz, esposa de Cunha, chega para visitá-lo na sede da Polícia Federal, em Curitiba, no último dia 26. Foto: RODRIGO FÉLIX LEAL/ESTADÃO CONTEÚDO


A jornalista Cláudia Cruz, mulher do ex-deputado Eduardo Cunha, será interrogada pelo juiz federal Sérgio Moro quinta-feira (16), às 14h, na sede da Justiça Federal em Curitiba. Cláudia prestará depoimento na ação penal a que responde pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Ela é acusada de ser beneficiária das contas atribuídas ao ex-deputado na Suíça.
Na audiência, Cláudia Cruz poderá ficar em silêncio e optar por não responder às perguntas do juiz e do representante do Ministério Público. De acordo com a Constituição, um investigado não é obrigado a produzir provas orais ou materiais contra si.
Em junho, Moro recebeu denúncia apresentada pela força-tarefa de procuradores da Operação Lava Jato contra Cláudia Cruz e outros investigados que viraram réus. A denúncia é vinculada à ação penal a que Cunha responde por não ter declarado contas no exterior, que também será julgada por Sérgio Moro.
Cunha está preso na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba desde o dia 19 de outubro.

Professor diz que observar superlua será exercício de paciência, mas que valerá a pena


Por Luiz Henrique de Oliveira
 
A maior superlua dos últimos 70 anos é esperada com ansiedade em todo o mundo. Ela já deu o ar da graça em países como Turquia, Austrália e Índia. Em Curitiba, por sua vez, a nebulosidade presente desde sábado (12) deixa os curiosos um tanto quanto preocupados, porém algumas brechas no céu devem acontecer durante a noite, segundo previsão do Instituto Tecnológico Simepar.
superlua
(Foto: Divulgação EBC)
Para o professor Anísio Lasievicz, do Parque da Ciência, localizado em Pinhais, região metropolitana de Curitiba, a observação será um exercício de paciência.
“O cenário não é dos melhores, por conta da umidade. Mas poderia ser pior, se fosse ontem, por exemplo. Acredito que teremos alguns minutos que nos permitam observar a super lua, mas será um exercício de paciência”, disse o professor.
No Parque da Ciência, haverá uma equipe de plantão para quem quiser observar a superlua. “Serão cinco telescópios, a partir das 19h30, todos apontados para a lua e também outros objetos. Saturno, Mater e Vênus também estarão visíveis à população”, destacou.
Quem quiser mais informações sobre o evento para a chegada da superlua clique aqui. 
Superlua
A superlua não será no momento do perigeu, que ocorrerá às 9h21 (horário de Brasília). O fenômeno por definição ocorre no momento da lua cheia, que será às 11h54 – nesta hora, o satélite estará a 363.338 km da Terra.
Com exceção do eclipse da Superlua de 2015, não houve nem haverá por muito tempo uma lua cheia tão especial, mesmo que curiosamente tenhamos tido três Superluas consecutivas em três meses, a anterior ocorreu em 16 de outubro e a última será no dia 14 de dezembro.
A lua não chegava tão perto assim da Terra desde 1948 e não voltará a fazê-lo até 2034Arquivo Agência Brasil
Como ocorre
Como em qualquer outra lua cheia, o corpo celeste parece maior e mais brilhante quando aparece no horizonte. E o mesmo ocorre com as superluas. Ainda que elas apareçam 14% maiores e 30% mais luminosas que as luas cheias comuns, são mais surpreendentes quando estão na linha do horizonte e não altas, no céu.
Isso acontece porque a órbita da lua não é um círculo perfeito, então em alguns pontos de sua órbita ela parece estar mais próxima do planeta Terra. “Quando a lua está em seu ponto mais distante isso é conhecido como apogeu e quando está mais perto é chamado de perigeu”, explica o cientista da Nasa Noah Petro.
No perigeu, a lua está cerca de 48 mil quilômetros mais perto da Terra do que no apogeu. Essa proximidade faz com que a lua pareça 14% maior e 30% mais brilhante do que uma lua cheia do apogeu. Por isso, a lua cheia do perigeu ficou conhecida como superlua.

Mulher é presa suspeita de roubar R$ 13 milhões em joias; quadrilha assalta apartamentos de luxo


SESP-PR


Gardene Jardim Caíres é uma mulher de 46 anos, estatura mediana e loira. Possivelmente ela passaria desapercebida pelo hall de um edifício. E é justamente esta característica, a descrição, que faz de Gardene uma criminosa perigosa, procurada pelas polícias de diversos estados, que responde a nada menos que 40 processos.
Ela faz parte de uma quadrilha especializada em furtos qualificados de apartamentos de luxo que atua em diversos estados do Brasil. A suspeita é que esta organização criminosa tenha furtado nada menos que R$ 13 milhões em joias. O último furto aconteceu no dia 5 deste mÊs em Itumbiara, no Estado de Goiás, quando foram levadas joias avaliadas em R$ 1 milhão. Entre as vítimas estão um ex-ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e um ex-secretário de Estado do Paraná.
Sempre com o mesmo modus operandi, e acompanhada de Luciana Rita Carneiro, de 42 anos, as duas mulheres invadiam prédios de luxo para furtar as peças. Entravam nos apartamentos e faziam a limpa. O foco são sempre as joias. Elas passavam desapercebidas pela portaria e, de forma aleatória, escolhiam os apartamentos que iriam fazer o furto – sempre quando os moradores não estavam em casa. Para isso, usavam uma chave micha e ingressavam no imóvel. Depois, saiam tranquilamente dos edifícios com as joias na bolsa.
Gardene foi presa na terça-feira (8) em São Paulo por policiais da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) de Curitiba, da Polícia Civil do Paraná. Na casa dela, os policiais encontraram relógios e algumas joias. As peças mais valiosas, no entanto, já não estavam lá. “A partir da investigação identificamos o endereço dos membros desta quadrilha. Mandamos equipes para São Paulo que confirmaram a residência deles. Quando a Gardene chegou com familiares ela foi abordada e disse que já imaginava porque estava sendo presa”, explicou o delegado operacional da DFR, André Feltes. “Ela afirmou aos policiais, no momento da prisão, que após os furtos as joias eram entregues imediatamente para uma terceira pessoa – que ela não nominou. E que vendia e se desfazia rapidamente dos objetos furtados”, completou. A Polícia Civil do Paraná agora foca a investigação para identificar este receptador.
Luciana está foragida — assim como José Valdo Sandes Pereira, de 49 anos, ex-marido de Gardene que também integra a quadrilha. O trio tem uma vasta ficha criminal. Os registros de Gardene na polícia de São Paulo preenchem 25 páginas. Os três já foram presos e condenados pela Justiça de Santa Catarina. Eles possuem passagens pela polícia por furto qualificado, estelionato, falsificação de documento público, associação criminosa e porte ilegal de arma de fogo.
Eles deixaram o sistema penal e retornaram às ruas para continuar cometendo os mesmos crimes: furtos em apartamentos de luxo. A Polícia Civil do Paraná relacionou pelo menos 12 casos envolvendo esta quadrilha. Eles atuavam desde 2009 e de lá para cá furtaram lojas em apartamentos de São Paulo, Pernambuco, Alagoas, Goiás e Paraná.
O delegado Matheus Laiola, titular da Furtos e Roubos de Curitiba, detalha como esta quadrilha agia. “As duas entravam no prédio, uma ficava no andar verificando o elevador e a Gardene entrava no imóvel. Elas têm uma habilidade incrível para abrir fechaduras. A Gardene nos relatou que só não consegue abrir fechadura eletrônica. Ela diz que abre fechadura até com a unha”, explica o delegado. Outra pessoa ficava fora do prédio, num carro, observando as janelas abertas e orientando as mulheres. Era ele quem dava fuga para a quadrilha”, completou.
No estado paranaense, as mulheres agiram em Curitiba, nos bairros Água Verde, Cabral e Cristo Rei, e nas cidades de Cambé e Londrina. No dia 30 de julho deste ano, as duas mulheres entraram num edifício no bairro Cristo Rei. A vítima, que não estava em casa, só deu falta das joias dois dias depois. Ela procurou a Delegacia de Furtos e Roubos e noticiou o crime. As equipes da DFR iniciaram a investigação e, com as imagens das câmeras de segurança do prédio, conseguiram identificar as duas mulheres. A mesma dupla foi flagrada pelas câmeras de outros edifícios, no Cabral e no Água Verde.
“Verificamos que elas vinham agindo em ações sucessivas. Durante a investigação, identificamos o veículo que dava suporte a quadrilha e verificou-se que era um carro com placa clonada. A partir daí a Polícia Civil do Paraná começou a desvendar o crime e identificar a quadrilha”, disse o secretário da Segurança Pública do Paraná, Wagner Mesquita.
A quadrilha usava um Honda Fit com placa ETU 2723, da cidade de São Paulo. Ao consultar a placa, percebeu-se que indicava o veículo modelo Ford Fiesta Branco. “Descobrimos que a quadrilha adulterou a placa utilizando uma fita preta. No lugar da letra T, na verdade a letra era I”, explicou o delegado André Feltes. O Honda Fit, com a placa correta, estava no nome de Pereira – apontado como um dos líderes desta quadrilha especializada.
Ele, assim como Luciana estão foragidos e estão sendo procurados pela Polícia Civil do Paraná e também de outros estados. Gardene será transferida nos próximos dias para São Paulo, onde ficará presa e responderá pelos crimes de associação criminosa e furto qualificado.