Defesa de Lula insinua que Moro é nazista e Curitiba é uma província agrícola


batochi-moro
O juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e promotores do Ministério Público Federal foram personagens de uma audiência acalorada na tarde de hoje (21). A sessão do dia tratava do interrogatório de testemunhas de acusação na ação penal em que Lula é réu no âmbito da Operação Lava Jato.
As discussões aconteceram durante o depoimento do ex-senador Delcídio do Amaral, a primeira testemunha a ser ouvida. Os advogados do petista contestaram por diversas vezes a relevância de perguntas que eram formuladas pelos promotores que, segundo eles, fugiam do escopo do processo. A defesa também alegou que o depoente estava respondendo com base em suposições e não em fatos objetivos.

“A defesa, pelo jeito, vai ficar levantando questão de ordem a cada dois minutos? É inapropriado”, disse Moro à defesa de Lula.
O advogado de Lula, Roberto Batochio se exaltou. Disse que “o juiz não é o dono do processo” e que a lei permite aos defensores fazer o uso da palavra. “Ou se vossa excelência quiser eliminar a defesa… E eu imaginei que isso já tivesse sido sepultado em 1945 pelos aliados e vejo que ressurge aqui, nesta região agrícola do nosso país.”
Em 1945, a Alemanha nazista – um regime totalitário – foi derrotada pelas nações aliadas, fato que marcou o término da II Guerra Mundial na Europa.
(foto: montagem)

Empresa investigada na Lava Jato doou para relator das 10 medidas contra a corrupção


A Coesa Engenharia repassou R$ 50 mil para a campanha de Onix Lorenzoni em 2010

MURILO RAMOS
22/11/2016 - 09h54 - Atualizado 22/11/2016 10h38
Controlada pela OAS, a empreiteira Coesa Engenharia doou R$ 50 mil para a campanha eleitoral do deputado federal Onix Lorenzoni (DEM-RS), relator do projeto batizado como “10 medidas contra a corrupção”, em 2010. De acordo com o Ministério Público Federal, a Coesa repassou dinheiro desviado de contratos da Petrobras para empresas ligadas ao doleiro Alberto Youssef. Em dezembro de 2015, representantes da Coesa foram presos durante a Operação Vidas Secas, que apurava irregularidades em obras da transposição do Rio São Francisco.

Em entrevista ao programa Roda viva, da TV Cultura, na segunda-feira (21), Lorenzoni disse desconhecer representantes da Coesa, afirmou que o repasse pode ter sido realizado por seu partido e que está tranquilo em relação ao assunto.

Internacional perde para o Corinthians e Coritiba está livre do rebaixamento para a Série B


Por Pedro Melo 

Livre do rebaixamento, Coritiba agora tem como meta a Sul-Americana. (Divulgação/Coritiba)
Livre do rebaixamento, Coritiba agora tem como meta a Sul-Americana. (Divulgação/Coritiba)
O Coritiba está matematicamente livre do rebaixamento para a Série B. E a confirmação da permanência na elite veio fora de casa. No encerramento da 36ª rodada, o Internacional perdeu para o Corinthians por 1 a 0, em São Paulo, e não pode mais alcançar a equipe coxa-branca.
A derrota deixou o Colorado, primeiro time dentro da zona de rebaixamento com 39 pontos e caso vença as duas últimas rodadas, chega apenas a 45 pontos, um a menos que a pontuação atual do Coritiba.
Livre da queda, o Alviverde agora foca em uma vaga na Sul-Americana e para isso, precisar chegar até na 12ª colocação. “Vamos continuar valorizando o campeonato, pois nós estamos aspirando uma vaga na Sul-Americana. Nós vamos nos concentrar e tentar vencer o Vitória, na segunda-feira (28)”, declarou o técnico Paulo César Carpegiani.
Se o resultado foi bom para o Coxa, o rival Atlético não teve muito o que comemorar. O Corinthians chegou aos 54 pontos, mas tem apenas um de desvantagem para o time rubro-negro. Na próxima rodada, os dois concorrentes por uma vaga na Libertadores se enfrentam, na Arena Corinthians.

PF deflagra Darknet II contra pornografia infantil no Paraná e em outros 15 estados



estadao-5-8-3-6-1-1-4-4-3


A Polícia Federal (PF) cumpre nesta terça-feira, 22, no âmbito da Operação Darknet II, 70 mandados de busca e apreensão e de prisão em 16 estados para combater rede de distribuição de pornografia infantil na chamada “Deep Web”.
pornografia
(Foto: Divulgação EBC)
Segundo nota da PF, cerca de 300 policiais federais cumprem as ordens judiciais nos Estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Bahia, Alagoas, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão, Pará e Amazonas.
A segunda fase da Operação Darknet investiga a participação de 67 pessoas na troca e na distribuição de fotos e vídeos com conteúdo pornográfico envolvendo crianças e adolescentes.
Durante as investigações da Operação Darknet II, a Polícia Federal antecipou o cumprimento de sete ordens judiciais para evitar o possível abuso sexual de crianças (Paraná, Distrito Federal e Rio de Janeiro).
Desde a primeira fase da Operação Darknet (2014) a Polícia Federal desenvolve metodologia de investigação e ferramentas para identificar usuários da “Dark Web” – considerado um meio seguro de divulgação de conteúdos variados de forma anônima.
“A arquitetura desse ambiente impossibilita a identificação do ponto de acesso (IP), ocultando o real usuário que acessa a rede Poucas polícias no mundo obtiveram êxito em investigações na Dark Web, como o FBI, a Scotland Yard e a Polícia Federal Australiana”, diz a nota da PF.

ORCRIM "tem o direito de mudar tudo o que quiser"



Rodrigo Maia defendeu o direito da ORCRIM de corromper as 10 medidas e anistiar o crime de caixa dois:
"Ninguém tem a primazia de um texto, um texto perfeito. O Poder Legislativo tem direito de mudar tudo que quiser".
Ele defendeu também que o Congresso Nacional tem o direito de aprovar o golpe anonimamente, com um voto simbólico:
"Se for simbólico ou nominal, não é o problema. O importante é votar na comissão e cada líder e partido assumem a responsabilidade sobre o texto que está aprovando".

A campanha era uma só



Giles Azevedo, o assessor de Dilma Rousseff que negociou os repasses da Andrade Gutierrez, complicou a defesa de Michel Temer no julgamento do TSE.
Ele disse:
"A estrutura de campanha era uma só. Então, a estrutura de quem estava trabalhando na campanha do vice-presidente, eram todos contratados pela campanha da presidenta Dilma, porque a campanha era uma só. É a campanha da chapa majoritária - legalmente não existe essa divisão. O vice-presidente até tem uma conta, mas efetivamente, as despesas... as grandes despesas da campanha, elas são unifica

Sérgio Cabral e o PT



A Petrobras comunicou à CVM que está apurando a denúncia de que Sérgio Cabral recebeu 2,7 milhões reais em propinas da Andrade Gutierrez pelas obras do Comperj.
Mas o PT também recebeu.
Segundo a planilha de Pedro Barusco, a Andrade Gutierrez e suas parceiras repassaram ao PT mais de 8 milhões de reais em propinas pela terraplanagem do Comperj e mais de 9 milhões de reais pelo coque do Comperj.