Com casa cheia, Palmeiras derrota Chapecoense e conquista o Brasileirão pela nona vez


Por Pedro Melo 
Palmeiras ganhou o título com uma rodada de antecedência. (Divulgação/Palmeiras)
Palmeiras ganhou o título com uma rodada de antecedência. (Divulgação/Palmeiras)
O Palmeiras é campeão brasileiro pela nona vez na história. Maior vencedor do Brasileirão, o Alviverde paulista encerrou um jejum de 22 anos sem levantar a taça da competição nacional e a confirmação veio após a vitória sobre a Chapecoense por 1 a 0, com direito a recorde de torcida na Arena Palestra.
Dono do melhor ataque e da melhor defesa, o Alviverde chegou aos 77 pontos e abriu sete de vantagem para o vice-líder Flamengo que venceu o Santos na rodada por 2 a 0. Na última rodada, a equipe palmeirense apenas cumpre tabela contra o Vitória, que luta para escapar do rebaixamento.
A tensão dentro da Arena Palmeiras durou apenas dois minutos já que o Santos sofreu um gol do Flamengo e o resultado era suficiente para o título. Mesmo assim, o Alviverde manteve mais posse de bola desde o começo e abriu o placar aos 25 minutos. Depois de grande jogada ensaiada, Moisés encontra Fabiano dentro da área e o lateral encobre o goleiro Danilo.
Logo após o primeiro gol, o Palmeiras quase ampliou sua vantagem. Gabriel Jesus recebeu bom passe na entrada da área, girou sobre o marcador e mandou na rede pelo lado de fora. Aos 43, novamente Gabriel Jesus apareceu na frente do gol, tentou marcar na saída de Danilo, que fez defesa providencial para evitar a mudança no placar.
Na volta do intervalo, o Palmeiras seguiu no ataque e teve uma chance de ampliar logo aos sete minutos. Roger Guedes recebeu ótimo lançamento de Moisés e mandou por cima do travessão. Já aos 10, Tchê Tchê arriscou de fora da área e a bola foi com muito perigo à direita do gol.
Com o decorrer do tempo, o título se aproximava do Alviverde e para não correr riscos da festa não ser com vitória, o técnico Cuca reforçou o meio-campo com as entradas de Gabriel e Thiago Santos. Nos minutos finais, o título já estava garantido com mais um gol sofrido pelo Santos e quase nos acréscimos, Fernando Prass entrou em campo como homenagem. O experiente goleiro não entrava em campo desde agosto por conta de uma lesão.
FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 1X0 CHAPECOENSE
Local: Arena Palestra, em São Paulo (SP).
Data: 27 de novembro de 2016.
Horário: 17h.
Árbitro: Anderson Daronco (RS).
Assistentes: Rafael da Silva Alves (RS) e Alexandre Pruinelli Kleiniche (RS).
Palmeiras: Jailson (Fernando Prass), Fabiano (Gabriel), Edu Dracena, Victor Hugo e Zé Roberto; Jean, Moisés e Tchê Tchê (Thiago Santos); Roger Guedes, Dudu e Gabriel Jesus.
Técnico: Cuca.
Chapecoense: Danilo; Gimenez, Marcelo, Filipe Macedo e Alan Ruschel; Matheus Biteco, Sérgio Manoel e Cléber Santana (Gil); Tiaguinho (Aílton), Lucas Gomes e Bruno Rangel (Kempes).
Técnico: Caio Júnior.
Cartões amarelos: Bruno Rangel e Marcelo (CHA); Fabiano (PAL).
Gol: Fabiano (PAL), aos 25′ do primeiro tempo.

Movimentos populares engrossam coro por impeachment de Temer


estadao_conteudo_cor


Em reunião com representantes de movimentos populares e das frentes “Povo Sem Medo” e “Brasil Popular”, no início da tarde deste domingo, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) sugeriu que lideranças dos movimentos assinem até quarta-feira um pedido de impeachment do presidente Michel Temer.
A base do pedido é a afirmação do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que Temer teria intercedido em favor do ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima no caso edifício La Vue, em Salvador, embargado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão subordinado ao MinC.
“Estamos com uma peça jurídica pedindo o impeachment, mas a ideia é que não seja assinada por parlamentares, mas por advogados e representantes da sociedade civil”, disse Lindbergh
Segundo ele, o objetivo é atrelar o pedido de impeachment de Temer a outras pautas, como a realização de eleições diretas para presidente e a retirada da PEC do Teto. “Entendemos que qualquer solução tem de passar pela legitimidade do voto popular”, afirmou o senador petista.
Os representantes se comprometeram a encaminhar a proposta aos movimentos em caráter de urgência e dar uma resposta até, no máximo, quarta-feira. “A ideia é apresentar o pedido até quinta-feira”, disse Lindbergh.
Participaram da reunião representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central de Movimentos Populares (CMP), União Nacional dos Estudantes (UNE), Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e o ator Fábio Assunção, entre outros. “Avaliamos que ao que tudo indica, dada a participação do presidente no episódio, os movimentos devem avaliar a proposta de subscrever o pedido de impeachment de Temer”, disse Raimundo Bonfim, da CMP.
Protestos
Ainda no início da semana, representantes das duas frentes devem se reunir para traçar um calendário de mobilizações. Uma das propostas é a realização de um grande ato contra Temer no início de dezembro.
“Existe uma proposta de abertura de processo de impeachment pelo crime de responsabilidade, pelo achaque, o tráfico de influência no caso do Calero. Estamos discutindo essa perspectiva”, disse Guilherme Boulos, do MTST.
Hoje, Boulos lidera uma manifestação da “Frente Povo Sem Medo” na Avenida Paulista. O objetivo inicial é protestar contra a PEC do Teto, mas, diante do agravamento da crise política, a frente decidiu incluir o “Fora, Temer” na pauta do ato.

EXCLUSIVO: CÚPULA DO BNDES QUE AJUDOU BUMLAI TEM BENS BLOQUEADOS



A Justiça Federal em Dourados determinou a indisponibilidade de bens e recursos financeiros de Luciano Coutinho, ex-presidente do BNDES, e de outros 19 diretores e empresários, num total de R$ 665,7 milhões.
O Antagonista revelou o bloqueio em agosto e agora teve acesso exclusivo à ação de improbidade, que responsabiliza a cúpula do banco pela concessão de empréstimos sem garantias à Usina São Fernando, de José Carlos Bumlai, o amigão de Lula.
Além de Coutinho, são alvos da ação o próprio Bumlai e seus filhos Maurício e Guilherme, além do BTG, Banco do Brasil e a Usina São Fernando.
Os demais réus são: Gil Bernardo Borges Leal, Carlos Eduardo de Siqueira Cavalcanti, Maurício dos Santos Neves, Júlio César Maciel Raimundo, Plínio Bastos de Barros Netto, Bernardo Bueno Bastos de barros, Maria Alves Felippe, Anita Rabaca Feldman, Victor Emanoel Gomes de Moraes, Armando Mariante Carvalho Júnior, Claudia Pimentel Trindade Prates, Gustavo Lellis Pacifico Peçanha, Daniel Schaefer Denys, Renata Soares Baldanzi Rawet, Evandro da Silva, Luiz Fernando Linck Dorneles, João Carlos Ferraz, Eduardo Teixeira e Borges e Anna Clements Mannarino.

Para quem não entendeu



Parte da imprensa tradicional e alternativa reproduz, sem questionar, o acordo de Michel Temer com Rodrigo Maia e Renan Calheiros em torno da anistia do caixa 2.
Temer disse que é preciso "ouvir a voz das ruas", mas fez ouvidos moucos até se ver encalacrado no Geddelgate.
Para quem não entendeu, a coletiva de hoje teve como objetivo esvaziar o protesto convocado pelos movimentos de rua para o dia 4 de dezembro e rebater antecipadamente a entrevista de Marcelo Calero ao Fantástico.

Temer pode enquadrar Calero na Lei de Segurança Nacional



O Antagonista apurou que Michel Temer está sendo aconselhado a enquadrar Marcelo Calero na Lei de Segurança Nacional.
Segundo um assessor, Calero teria incorrido no artigo 26 da Lei 71170/83 ao "caluniar ou difamar" o presidente, imputando-lhe "fato definido como crime ou fato ofensivo à reputação".
Promulgada pelo general Figueiredo, a lei prevê pena de 1 a 4 anos. No caso de Calero, ele poderia ainda ser submetido a processo disciplinar e até expulso dos quadros do Itamaraty.
Mais cedo, na coletiva de imprensa, Temer não escondeu sua irritação por ter sido gravado por Calero.

"Caiado presidente ou governador"?



O Antagonista soube que a direção do DEM pretende decidir se lançará candidato próprio à Presidência em 2018, no máximo, assim que passar o carnaval do ano que vem.
Ainda não está definido se Ronaldo Caiado vai encarar a disputa nacional ou tentará se eleger governador em Goiás.

‘Não vejo heróis na Lava Jato’, diz Calloni, do filme da Operação

Às vésperas de fazer 55 anos, que completa no próximo dia 6, o ator Antonio Calloni, conhecido por novelas como Caminho das Índias e Salve Jorge, além da ótima série Justiça, recém-exibida pela Globo, começou a atuar como aquele que talvez seja o seu maior personagem no cinema. Calloni será um dos principais investigadores, e o narrador, do filme sobre a Operação Lava Jato previsto para 2017, Polícia Federal – A Lei É para Todos. Nem por isso, no entanto, o ator cai na tentação de endeusar as figuras que representa. “Não vejo heróis nessa história”, diz, em entrevista por telefone do Rio de Janeiro, para onde retornou depois de filmar cenas na última semana em Curitiba, a sede da operação que transformou em personalidade o juiz Sergio Moro. “Fizemos a cena de uma coletiva de imprensa com os investigadores, uma conversa entre os delegados e a apreensão das coisas que os advogados levavam para os presos da Lava Jato, coisas absurdas como água importada e presunto de Parma.”
Calloni quer dizer que, no filme, com roteiro de Gustavo Lipsztein e Thomas Stavros (ambos da série 1 contra Todos), ninguém será infalível. O longa vai mostrar os investigadores não apenas em ação, mas também na esfera pessoal, em casa com a família e com as suas crises particulares. Serão, ao todo, quatro investigadores, vividos por ele, Flávia Alessandra e Bruce Gomlevsky, os três mais importantes, e um quarto interpretado por João Baldasserini, o Beto de Haja Coração, a novela das 7 que acabou de sair do ar. Os quatro vão condensar ações e perfis de um número muito maior de figuras da Operação Lava Jato. “Nenhum dos atores faz um delegado específico. Eu faço um delegado inspirado no Igor Romário de Paula, mas não é apenas ele, são vários delegados juntos”, conta Calloni, que não conheceu Sergio Moro, mas se encontrou com o delegado que inspira o seu personagem. “Uma pessoa fantástica, disponível e gentil, com uma competência e uma seriedade raras.”
O filme também não passará ao largo de controvérsias que envolvam a Lava Jato, de acordo com Calloni. “O longa pretende estimular o debate, mostrar todos os lados, e não favorecer um lado ou outro.” Para o ator, a operação sediada em Curitiba é apartidária e vai, sim, chegar ao PSDB, ao contrário da impressão de muitos que já fizeram disso motivo de memes e piadas – vide Porta dos Fundos. “Tem uma jornalista, no filme, que pergunta por que a Lava Jato quer destruir o PT, e o Ivan, meu personagem, responde que não, que a operação se atém aos fatos”, diz. “É lógico que as investigações vão chegar ao PSDB também.”
Em 2017, além de Polícia Federal – A Lei É para Todos, Antonio Calloni estará em Dois Irmãos, série de Luiz Fernando Carvalho baseada no livro do amazonense Milton Hatoum, que estreia em janeiro na Globo, e no filme Minha Família Perfeita, adaptação de uma comédia russa com Zezé Polessa, Rafael Infante, Isabelle Drummond.

Atlético segura o Corinthians fora de casa 0 x 0 e fica próximo de classificação para a Libertadores


Por Guilherme Coimbra

Furacão segurou empate com o Corinthians e depende só de si para se classificar para a Libertadores (Divulgação/Atlético)
Furacão segurou empate com o Corinthians e depende só de si para se classificar para a Libertadores (Divulgação/Atlético)
O Atlético está a um passo da Libertadores de 2017. O Furacão empatou sem gols com o Corinthians, fora de casa, na noite deste sábado (26), na Arena Itaquera, em São Paulo, em jogo válido pela 37ª rodada do Brasileirão, e agora depende só de si mesmo na última partida para se garantir no G6 e assegurar a classificação.
Com pouca criatividade para os dois lados, o primeiro tempo não teve grandes chances de gol. A melhor delas foi do Corinthians, aos 37 minutos, com Rodriguinho carimbando o poste direito do goleiro Weverton.
No mesmo ritmo da etapa inicial, o segundo tempo teve domínio dos mandantes, mas com pouca efetividade no setor ofensivo. Na melhor chance do Corinthians, aos dez minutos, Fagner cruzou e Cristian pegou de primeira, obrigando Weverton a fazer uma bela defesa. O Atlético só assustou nos minutos finais, aos 42, com João Pedro arriscando de fora da área e exigindo intervenção de Walter.
Com o empate o Furacão foi aos 56 pontos e se manteve na quinta colocação. Na próxima rodada, contra o Flamengo, no domingo (4), às 17h, na Arena da Baixada, o Rubro-Negro só depende de si mesmo para garantir a vaga na Taça Libertadores de 2017.
Corinthians domina as ações em primeiro tempo morno
Apesar da maior posse de bola rubro-negra, o Corinthians foi quem teve o ímpeto ofensivo. Com boa troca de passes, o Timão encurralou o miolo defensivo atleticano e conseguiu criar mais oportunidades. Nas melhores chances dos mandantes, Balbuena parou em Weverton, aos 22 minutos, e Rodriguinho carimbou o poste direito, aos 37. Já o Furacão pouco criou e não deu trabalho para o goleiro Walter na primeira etapa.
Weverton e Walter trabalham uma vez cada e jogo não sai do zero
O segundo tempo seguiu com domínio corintiano. Agora com maior posse de bola, o Timão continuou criando as melhores oportunidades. Aos dez minutos, aproveitando exposição do lado esquerdo rubro-negro, Fagner avançou e cruzou para Cristian, de primeira, exigir uma bela defesa de Weverton. No rebote, Marlone mandou por cima do gol e desperdiçou a chance de abrir o placar. Pouco tempo depois, aos 20, nova jogada em velocidade do Corinthians, desta vez de Marlone, que rolou para Rodriguinho. O camisa 26 serviu Cristian, livre pela direita, mas que acabou pecando na hora de finalizar e errou o alvo.
O Atlético cresceu e criou a sua melhor chance no jogo somente nos minutos finais. Aos 42 minutos, João Pedro recebeu, ajeitou e bateu forte, de fora da área, exigindo bela defesa do goleiro Walter para garantir o zero no placar.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 0X0 ATLÉTICO
Local: Arena Itaquera, São Paulo (SP).
Data: 26 de novembro de 2016.
Horário: 21h.
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS).
Assistentes: Elio Nepomuceno de Andrade Junior (RS) e Lucio Beiersdorf Flor (RS).
Público e renda: Pagante: 24.701 | Total: 24.956 | Renda: R$ 1.291.293,00
Corinthians: Walter; Fagner, Vilson, Balbuena e Uendel; Cristian (Giovanni Augusto), Camacho, Marquinhos Gabriel (Gustavo), Rodriguinho e Marlone; Romero (Lucca).
Técnico: Oswaldo de Oliveira.
Atlético: Weverton; Léo, Paulo André, Thiago Heleno e Sidcley; Otávio, Hernani (Rossetto), Lucas Fernandes (Nikão), Lucho González (João Pedro) e Pablo; André Lima.
Técnico: Paulo Autuori.
Cartões amarelos: Vilson, Camacho e Rodriguinho (COR);  Thiago Heleno e Lucho González (CAP).