Primeiro sobrevivente a receber alta, boliviano grava vídeo agradecendo povo da Colômbia; assista



Da Redação

Um dos seis sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense, o boliviano Erwin Tumiri, recebeu alta da Clínica Somer nesta sexta-feira (2). O técnico da companhia aérea Lamia gravou um vídeo agradecendo todos os cuidados que recebeu na cidade de Rionegro, na Colômbia.
“Estou pronto para ir até a Bolívia. Queria agradecer, antes de ir, a todo o povo colombiano, os bombeiros, os policiais, todos que trabalharam em comum, em equipe. Eu agradeço de todo o coração, vocês fizeram parte da minha família, são como meus irmãos (…). Quero agradecer a clínica que me presenteou com a sua hospitalidade. Estou muito contente, agradecido, não encontro palavras para agradecer”, disse Tumiri.
Ele sofreu contusões leves no acidente e agora usa protetor ortopédico no pescoço por precaução. Segundo a clínica, o técnico saiu em cadeira de rodas por uma questão de protocolo médico.
“Talvez eu não possa dar entrevistas devido a minha condição de saúde, mas quero dizer que estou muito agradecido”, completou.
Assista ao vídeo, divulgado pela Blu Radio da Colômbia, abaixo:


Anjo? Pai diz que filho é herói e explica sumiço após garoto salvar atletas na Colombia


Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação
    Johan Ramirez, 15 anos, ajudou a resgatar vítimas da tragédia
    Johan Ramirez, 15 anos, ajudou a resgatar vítimas da tragédia
A noite da última segunda-feira e a madrugada da terça-feira não serão esquecidas tão cedo por Johan Alexis Ramirez e Miguel Ramirez. Os dois estavam tranquilos vendo televisão na fazenda em que moravam quando escutaram um forte estrondo. O barulho era o avião da Lamia que levava o elenco da Chapecoense para Medellín, que havia acabado de cair. A queda causou morte de 71 pessoas. Mas seis se salvaram. Cinco com a ajuda dos dois.
Johan, 15 anos, é o menino que nos últimos dias foi tratado como anjo e fantasma pela imprensa mundial. Seu sumiço no meio do resgate fez com que poucas pessoas vissem o menino que corria para cima e para baixo ajudando os bombeiros. Diversos veículos chegaram a questionar sua existência. O pai explica o motivo que fez com que o adolescente saísse do local.
"Ele sumiu porque um policial nos tirou da área do acidente de um jeito muito rude. Nós saímos e não nos viram mais essa noite. Ficamos das 11 horas (2 horas da manhã no Brasil) até às 3 horas (6 horas da manhã no Brasil)", falou Miguel.
Segundo o pai do menino, Johan chegou a discutir com um bombeiro, e Miguel achou melhor tirá-lo para evitar que uma confusão atrapalhasse o resgate.
Enquanto os veículos pelo mundo discutem se seu filho é fantasma ou anjo, Miguel tem uma resposta mais simples, recheada de orgulho. "Me sinto muito orgulhoso dele porque foi salvar vidas e não saquear as coisas que não eram dele, como fizeram muitas pessoas. É muito lindo que não tenha medo dos mortos, colaborando muito. Graças a Deus, fui premiado com esse herói", falou.
Divididos com as equipes de resgate, Miguel e Johan assumiram o papel de guiar os bombeiros em uma região que eles não conheciam muito bem. O conhecimento da dupla se dava pelo fato deles morarem a quatro minutos do local da queda.
"Nós os guiávamos por um caminho mais curto e iluminávamos com lanterna e meu celular. Ajudei eles a tiraram a Ximena, a aeromoça. Meu filho ajudava igualmente. Nós os levávamos do local da queda até a estrada", explicou.
No período do resgate, não foi só Ximena que foi salva pelos dois. Apenas Neto, que foi encontrado depois deste horário, não teve ajuda dos dois. O lateral Alan Ruschel foi o primeiro encontrado por Johan.
Mas nem todos os resgatados por eles chegaram com vida. "Meu filho levava um jogador quando o bombeiro o chamou e avisou que ele tinha morrido", lamentou.
Depois de deixar o local, os dois voltaram para casa, mas não conseguiram dormir. "Era muita tristeza pela tragédia, mas graças a Deus pudemos salvar essas pessoas", encerrou.

Em vídeo, Neymar envia mensagem a familiares de vítimas: "Estamos juntos"


Homenagem do atacante do Barcelona, exibida no telão da Arena Condá, encerrou a cerimônia na tarde deste sábado. Outros jogadores também gravaram vídeos

Por Chapecó, SC

Mesmo à distância, Neymar deixou uma mensagem de conforto a familiares dos jogadores e funcionários da Chapecoense mortos no acidente aéreo em Medellín, na madrugada de terça-feira. O atacante do Barcelona prestou solidariedade por meio de vídeo.  assista as mensagens aqui
- Meus sentimentos. Vai uma oração para todas as famílias e todos os guerreiros que se foram. Estamos juntos. Que Deus nos abençoe e nos console sempre. Vamos, Chape! - disse o jogador, em vídeo exibido no telão da Arena Condá, no encerramento do velório coletivo realizado na tarde deste sábado.

Neymar telão Arena Condá (Foto: Reprodução)Vídeo foi exibido no telão da arena (Foto: Reprodução)
Além de Neymar, que esteve em campo em duelo contra o Real Madrid no momento do funeral de 50 corpos (entre eles os de 19 jogadores da equipe catarinense), outros atletas e ex-jogadores também tiveram mensagens exibidas no telão (assista ao vídeo acima).
Outras personalidades do futebol puderam estar presentes, como Tite, técnico da seleção brasileira, que cancelou viagem à Europa, onde observaria justamente o clássico espanhol, para ir a Chapecó. 
O espanhol Carles Puyol e o holandês Clarence Seedorf, que foram grandes nomes do futebol mundial, acompanharam a cerimônia com o presidente da Fifa, Gianni Infantino. Mais de 10 clubes também mandaram representantes, entre dirigentes, jogadores e ex-jogadores. 

Com homenagens para a Chapecoense, Chelsea vence Manchester City de virada


estadao_conteudo_cor


David Luiz e William mostram faixa com os dizeres "Força Chape". (Divulgação/Chelsea)
David Luiz e William mostram faixa com os dizeres “Força Chape”. (Divulgação/Chelsea)
Em uma partida marcada pelas homenagens às vítimas do acidente fatal no voo com jogadores da Chapecoense, na terça-feira, o Chelsea venceu o Manchester City por 3 a 1, de virada, pela 14ª rodada do Campeonato Inglês, e disparou na liderança do torneio.
Com o resultado, o Chelsea foi a 34 pontos, deixando o City para trás, estacionado nos 30 e em terceiro lugar, ameaçado de perder a posição para o Arsenal, que tem 28 e encara o West Ham mais tarde neste sábado.
As homenagens à Chapecoense iniciaram ainda no aquecimento. Todos os jogadores do Manchester City entraram no gramado vestindo uma camiseta preta com o escudo da Chapecoense e os dizeres “#forçachape” e “Manchester is With You” (Manchester está com vocês, em inglês).
Na hora da bola rolar, atletas das duas equipes e o trio de arbitragem se uniram no círculo central e, assim como a torcida, respeitaram um minuto de absoluto silêncio. No telão do estádio, apareceu a mensagem: “Em algum lugar entre as estrelas, serão lembrados como eternos campeões. Força, Chape!”.
Após o apito inicial, o zagueiro Cahill fez sua primeira trapalhada no jogo aos seis minutos, quando deu um carrinho para cortar drible de David Silva e encostou a mão na bola dentro da área. No entanto, o juiz não viu pênalti para o Manchester City no lance.
Aos 14 minutos, o Chelsea chegou com perigo pela primeira vez, quando Hazard bateu de fora da área, mas a bola saiu tirando tinta da trave direita. Em seguida, o City partiu para cima, enquanto os visitantes se fecharam em busca dos contragolpes, que se tornou o panorama de toda a partida.
Aos 20, Agüero bateu forte e obrigou Courtois a fazer boa defesa Já, aos 24, Fernandinho balançou as redes de cabeça, mas o gol foi anulado por impedimento. O Chelsea só respondeu no lance seguinte, quando Hazard driblou o goleiro Bravo, mas ficou sem ângulo para finalizar, cruzou e a zaga do City afastou.
Nos dez minutos finais, o City manteve o domínio das jogadas ofensivas. Agüero recebeu dois cruzamentos, mas chutou um em cima da zaga e cabeceou outro à esquerda do gol. A insistência teve resultado aos 44, quando Navas cruzou da direita e Cahill apareceu novamente para o lado negativo, desviando contra o próprio gol, sem chances de defesa para Courtois.
A segunda etapa iniciou da mesma maneira, com o Manchester City aplicando um sufoco. Aos oito minutos, Agüero roubou a bola na grande área, driblou o goleiro, mas a zaga do Chelsea se recuperou a tempo de tirar em cima da linha. Logo em seguida, Navas cruzou para a pequena área e De Bruyne, com o gol escancarado sem defensores à sua frente, mandou no travessão.
Paciente atrás, o Chelsea conseguiu empatar em um contra-ataque letal. Cesc Fabregas acertou um longo lançamento, Diego Costa dominou dentro da área já tirando o marcador e bateu firme para o gol.
O Manchester City não se abalou com o empate, mas o argentino Agüero não apresentava o aproveitamento esperado de goleador. Aos 16, na cara do gol, bateu em cima de Courtois. Assim, o time londrino manteve a postura na defesa e apostou em mais um contragolpe para virar o jogo.
Após jogada de perigo, a defesa afastou a bola para Diego Costa, que rapidamente ligou Willian. O brasileiro avançou em velocidade e chutou rasteiro no canto direito. Na comemoração, o atacante estendeu uma pequena faixa preta com o “Força, Chape”.
Mesmo depois dos dois gols sofridos em contra-ataque, o City de Pep Guardiola se manteve no ataque com todas as forças, mas sem conseguir chegar com perigo. Por outro lado, o Chelsea soube se defender bem e ainda anotou o terceiro em mais uma saída em velocidade. Aos 44 do segundo tempo, Hazard recebeu lançamento na esquerda, ganhou do zagueiro no mano a mano e encheu o pé para estufar as redes e dar números finais ao marcador.
A emoção não acabou nem mesmo nos acréscimos. Aos 45, William desperdiçou a chance de fazer o quarto gol. Já, aos 50, Agüero deu carrinho em David Luiz e acabou expulso. Após o lance, Fernandinho empurrou Fabregas pelo pescoço e também levou o vermelho, deixando o City com nove atletas, mas o árbitro decretou o fim do jogo em seguida.

‘Minha vida vale mais do que perder a perna’, disse goleiro Follmann aos médicos


estadao_conteudo_cor



A equipe médica do hospital San Vicente, em Rionegro, na Colômbia, anunciou neste sábado evoluções do quadro médico dos quatro sobreviventes do voo que trazia a Chapecoense para Medellín e caiu na noite de segunda-feira (madrugada de terça no horário de Brasília). A principal novidade é o progresso do goleiro Follmann, que está consciente, conversa com a família e, inclusive, demonstrou aos médicos lucidez e tranquilidade para falar sobre a sua situação.
follmann
(Foto: Divulgação/Linense)
O médico intensivista Edson Stakonski veio de Chapecó para acompanhar a recuperação dos sobreviventes e afirmou ter ficados surpreso com a recuperação do goleiro reserva do time cata, assim como o equilíbrio emocional demonstrado por ele. “Já está consciente e sabe da amputação. Ele nos disse que vai tirar isso de letra e falou bem assim: ‘Vale mais a vida do que perder a perna'”, contou.
O goleiro teve a perna direita amputada e correu o risco de perder também a esquerda, até conseguir evoluir. O comportamento dele surpreendeu os médicos. “Ele está completamente consciente, fala com todos, com a sua família e sabe da sua amputação. Os psicólogos têm acompanhado e estamos surpresos com a atitude dele. Isso nos deixa otimistas”, explicou o diretor médico do hospital, Ferney Alexandre Rodriguez. A lesão mais preocupante do goleiro é na coluna, onde passará por cirurgia futuramente.
Os quatro sobreviventes foram reunidos no mesmo hospital na sexta-feira, para facilitar a logística e ter atendimento em um centro médico de mais estrutura. Nas últimas horas, a principal evolução foi do lateral Alan Ruschel, desentubado neste sábado. “Já está acordado e conversando. Não tem lesão muscular e mexe os quatro membros”, afirmou Stakonski.
Os dois quadros mais delicados são os do jornalista Rafael Henzel e do zagueiro Neto. Para acompanhar o atendimento ao defensor, chegou neste sábado de Chapecó o ortopedista especialista em coluna Marcus André Sonagli. O médico fez neste ano uma cirurgia na coluna do jogador. A recuperação prevista era de seis meses, mas após três meses ele voltou a jogar, o que gera bastante otimismo.
“Ele é muito forte fisicamente e, na parte psicológica, é mais ainda. Sempre foi muito determinado. O Neto tem uma fratura na quinta vértebra lombar. Ainda vamos fazer outros exames”, afirmou Sonagli. O zagueiro continua sedado, por estar em quadro pulmonar delicado.
As condições respiratórias também preocupam os médicos sobre o estado do jornalista Rafael Henzel. Em situação crítica, ele respira com ventilação mecânica e apresentou melhora de sexta-feira para este sábado.