Número de mortes em incêndio durante festa na Califórnia sobe para 30


estadao_conteudo_cor-1

incendio
(Foto: Reprodução Twitter)
O número de mortes confirmadas em um incêndio na Califórnia subiu para 30, segundo autoridades norte-americanas. O acidente ocorreu durante uma festa em um prédio abandonado em Oakland, no fim da noite de sexta-feira. Os bombeiros conseguiram controlar o fogo apenas na manhã de sábado. A festa tinha cerca de 100 pessoas.
O fogo começou por volta das 23h30 (hora local) de sexta-feira no local que foi zoneado como um armazém, uma estrutura de dois andares, cujo teto desabou, dificultando os trabalhos de resgate O local funcionava ilegalmente. Autoridades de Oakland disseram que abriram uma investigação no mês passado, após repetidas queixas de vizinhos que disseram que tinham pessoas vivendo ilegalmente no prédio abandonado, que era conhecido como “Ghost Ship” (Navio fantasma na tradução literal).
Antigos moradores disseram que o local também era uma armadilha de morte por causa das poucas saídas, escadaria improvisada, pilhas de troncos e um labirinto de cabos elétricos.
O telhado do edifício desabou no segundo andar. Os bombeiros tiveram que parar temporariamente suas operações de busca e salvamento para evitar mais riscos por causa da estrutura abalada

Polícia encontra corpo e carro de empresário desaparecido há cinco dias na RMC


Da Redação


paulo
Paulo morreu dentro de veículo (Foto: Divulgação)
A Polícia Militar (PM) de São José dos Pinhais encontrou, no fim da manhã deste domingo (4), o corpo do empresário Paulo Miqueleto, de 47 anos, queestava desaparecido desde a última terça-feira (29). Ele estava morto dentro do veículo Sandero Stepway prata, placa AVW-4875, na zona rural de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.
Paulo Miqueleto era proprietário de uma empresa no ramo de Engenharia Elétrica, deixou a filha na escola na terça e retornou para casa. Na sequência então, ele entrou no carro e não foi mais visto. A única pista da polícia era um saque bancário na cidade de Piên, distante 90 km de São José dos Pinhais.
O corpo foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Curitiba (IML). Não há presença de ferimentos e Paulo teria morrido por contaminação de monóxido de carbono dentro do veículo.

Protesto na Paulista tem minuto de silêncio e gestos pela Chapecoense


Pedro Lopes e Ricardo Marchesan
Do UOL, em São Paulo

  • Ricardo Marchesan/UOL
    Manifestação na Paulista teve algumas homenagens à Chapecoense
    Manifestação na Paulista teve algumas homenagens à Chapecoense
Homenagens e gestos de solidariedade à Chapecoense fizeram parte – ainda que em poucos momentos – das manifestações a favor da continuidade da operação Lava Jato na Avenida Paulista neste domingo. As menções a tragédia começaram com minuto de silêncio pedido pelos trios elétricos de movimentos que participaram da organização dos protestos, como o Vem Pra Rua.
Em meio a multidão, alguns manifestantes prestaram homenagens, como os estudantes Felipe Marques, 22, e Maiara Luana, 18. Corintiano, o casal participou de uma homenagem no Pacaembu no sábado onde compraram camisas do clube catarinense e decidiram utilizá-las nos protestos de domingo.
Outro manifestante utilizando a camisa da Chape pediu para não ser fotografado nem entrevistado. Justificou dizendo que "apesar de ter sido uma tragédia, hoje estamos aqui para focar nos problemas do Brasil".
Pedro Lopes/UOL
Vendedora não quis se desfazer de bandeira da Chapecoense durante manifestação
Já na periferia da manifestação, uma senhora passava com várias bandeiras de clubes e do Brasil. Todas estavam à venda, menos uma, a da Chapecoense, na qual ela estava enrolada. "É um jeito de homenagear esses meninos", disse. Com medo das autoridades, não quis ter o rosto fotografado, mas exibiu com orgulho a bandeira.
Ampliar

Manifestações contra a corrupção e a favor da Lava Jato29 fotos

18 / 29
4.dez.2016 - Garoto com a bandeira do Brasil pintada no rosto participa de protesto a favor da Lava Jato no Farol da Barra, em SalvadorVEJA MAIS >Imagem: Raul Spinassé/Agência A Tarde/Estadão Conteúdo

Senador REQUIÃO critica manifestantes: ‘Mentecaptos manipuláveis’


O senador Roberto Requião (PMDB-PR), relator do projeto de abuso de autoridade no Senado, usou o seu perfil no Twitter para criticar os manifestantes que saíram às ruas neste domingo em apoio à Lava Jato e contra as mudanças feitas no pacote anticorrupção. O senador chamou os participantes dos atos de “mentecaptos manipuláveis” e os integrantes da força-tarefa da Lava Jato de “fundamentalistas e paladinos”. Nos últimos dias, membros do Judiciário e do Ministério Público têm atacado o projeto de abuso de autoridade por o verem como uma tentativa de intimidar as investigações.
No Twitter, Requião também prometeu entregar um substitutivo ao projeto na próxima terça-feira. “Com pitis ou sem pitis, com histerias e passeatas, ou sem, estou trabalhando para oferecer ao Senado, na terça, uma boa proposta de lei”, escreveu. O senador ainda fez posts contra o pacote das Dez Medidas contra a Corrupção, que foi aprovado na Câmara com diversas mudanças e agora está em discussão no Senado. “O conteúdo das ‘dez medidas’ vendia combate a corrupção, mas entregava fascismo e regressão a barbárie corporativa”, escreveu o senador.
Na última quinta-feira, o juiz Sergio Moro foi ao Senado para discutir a proposta de abuso de autoridade. Na ocasião, o magistrado defendeu que ela não fosse debatida neste momento e que fosse incluído um artigo, garantindo que não configuraria crime a divergência na interpretação da lei penal.

'Queria calar ele', diz Elize Matsunaga sobre assassinato do marido


Suamy Beydoun/AGIF/Folhapress
SAO PAULO - SP - 24/11/2016 - Elize Matsunaga sentada ao lado dos seus advogados de defesa aguardando o inicio do julgamento no Forum Criminal da Barra Funda em São Paulo, Foto: Suamy Beydoun/AGIF *** PARCEIRO FOLHAPRESS - FOTO COM CUSTO EXTRA E CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS ***
Elize Matsunaga (esquerda) sentada ao lado dos seus advogados de defesa no Fórum da Barra Funda

PUBLICIDADE
Em interrogatório na manhã deste domingo (4), sétimo dia do julgamento de Elize Matsunaga, a ré, que confessou o crime, deu detalhes de como matou e esquartejou o marido, o empresário Marcos Matsunaga, em maio de 2012.
Segundo ela, o crime ocorreu em momento de forte emoção. Após ser agredida pelo marido com um tapa no rosto, disse, pegou uma arma que estava na sala e, na cozinha, passou ser xingada pelo marido.
Elize disse que não tinha intenção de matar o marido. "Eu não queria atirar nele. Eu queria calar ele. Queria que tudo acabasse", disse ela, em fala emocionada, alternando entre mágoa, raiva e tristeza.
"Se eu estiver mentindo, que Deus me castigue da pior forma possível", disse no interrogatório que durou mais de duas horas –começou às 10h21 e terminou às 12h40. Ela se recusou a responder às perguntas da acusação.
"Ele xingava a minha família. Eu não estava aguentando mais", disse ela. "Também senti alívio porque sabia que não estava louca. Todas as vezes que dizia que ele tinha outra, ele dizia que não tinha fundamento. Que eu estava louca."
Questionada pelo juiz Adilson Paukoski Simoni se não poderia ter tomado outra decisão a não ser o disparo, Elize respondeu que estava desesperada.

"Poderia fazer um milhão de coisas. Mas, na hora, eu não racionei. Fazia dois dias que não dormia. Com o detetive me ligando a todo momento. No momento, eu não racionava direito. Eu estava com o coração na boca".
Elize disse que só esquartejou o marido porque queria se livrar do corpo e não encontrou outra alternativa. "Infelizmente, a única forma que encontrei foi cortá-lo", disse.

Ela contou que começou, na manhã de 20 de maio, um domingo, a cortar o marido pelos joelhos, que estavam mais próximos da porta. Em seguida, cortou os ombros, abdômen e, por fim, o pescoço. A maior dificuldade, segundo ela, foi cortar a coluna.

A ré disse que resolveu se livrar do corpo do marido sem racionar, porque "tudo que vinha na cabeça". "Eu não podia ligar para minha sogra, pessoa que sempre me tratou com respeito, [dizendo] 'eu dei um tiro no seu filho'", disse. 

Queda de helicóptero mata noiva e mais três na Grande São Paulo


Divulgação
Acidente com helicóptero em São Lourenço da Serra, na Grande São Paulo

PUBLICIDADE
A queda de um helicóptero na tarde deste domingo (4) em São Lourenço da Serra (Grande São Paulo) deixou quatro pessoas mortas, incluindo uma noiva que estava a caminho de seu casamento.

A aeronave, modelo Robinson 44, voava em direção ao sítio Recanto Beija-Flor, na mesma cidade, onde haveria a festa. Caiu por volta das 16h, perto da rodovia Régis Bittencourt e a 5 km de onde estava programada a celebração.

Segundo os bombeiros, além da noiva e do piloto, estavam no helicóptero um irmão dela e a fotógrafa do casamento, que estava grávida.
"Eles estavam demorando demais e não conseguíamos contato. Logo depois ficamos sabendo do acidente. É uma tragédia. Os convidados, o noivo e os familiares estão todos aqui ainda, esperando mais detalhes", afirmou à Folha por volta das 18h30 Carlos Eduardo Batista, proprietário do Recanto Beija-Flor.
No horário da queda, a região tinha tempo encoberto, com neblina e chuva fraca.
O casamento, diz Batista, seria às 16h, e a aeronave pertencia a uma empresa que já tinha feito esse percurso outras duas vezes –ela não foi localizada pela reportagem.
Divulgação
Helicóptero após acidente em São Lourenço da Serra, na Grande São Paulo
Os nomes das vítimas não foram confirmados pelos bombeiros até a noite.
O helicóptero caiu sobre uma área de chácaras, no bairro Barrinha. O vigilante Rubens Pires, 36, diz que ele dava voltas, como se procurasse um local para pousar.
"Ele foi e voltou duas vezes. A hélice parece que se desfez e depois ouvimos um barulho do helicóptero caindo no meio das árvores", afirmou.
A cuidadora Cíntia Camargo Pires, 35, disse que viu a aeronave girando antes de cair. "Estava saindo fumaça. A hélice estava parada, e o helicóptero é que girava", disse.

O operário Elenilson Santos de Castro, 42, afirmou que a aeronave fez dois grandes estouros antes de cair. "Quase caiu sobre a minha casa."
Os moradores afirmaram que havia muitas crianças num campo próximo de onde o helicóptero sobrevoava.

De acordo com eles, parentes da vítima que estiveram no local afirmaram que a noiva iria fazer uma surpresa chegando de helicóptero.
A aeronave havia sido comprada recentemente, segundo informações da Anac (agência de aviação civil). A situação dela era regular.

Segundo a Anac, houve dois acidentes fatais em 2015 com o modelo Robinson 44. Ao todo, o país teve 13 acidentes de helicóptero no ano passado, com todos os modelos, sendo cinco com mortes. De 2006 a 2015, houve 211 acidentes de helicóptero no Brasil. 

Globais protestam em Copacabana em apoio à Lava Jato


Artistas ligados à TV Globo marcaram presença no ato de apoio à Operação Lava Jato em Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro, neste domingo. Entre eles, os atores globais Malvino Salvador, Christiane Torloni e Luiz Guimarães. É a primeira onda de protestos que se espalha pelo país após a posse do presidente Michel Temer. Convocados pelos mesmos movimentos que pediram a saída de Dilma Rousseff, o Vem pra Rua e o Brasil Livre, os manifestantes marcham contra a decisão do pleno da Câmara dos Deputados de desfigurar o pacote anti-corrupção, que agora está em discussão no Senado.
Salvador postou uma foto em seu perfil no Instagram, dizendo ser contrário à inclusão do projeto de abuso de autoridade no texto das 10 Medidas contra a Corrupção. “Por este item na lei neste momento é uma retaliação à atuação da Justiça, e oportunismo”, escreveu ele.
famosos-protesto-20161204-030
O ator global Luiz Guimarães: na rua contra medidas promovidas por políticos para prejudicar autoridades ligadas às investigações da Lava Jato (Instagram/Reprodução)

A manobra para livrar Renan da destituição da presidência do Senado


renan-dias-toffoli
Encerra-se no dia 21, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) já estará em recesso, o prazo para que o ministro Dias Toffoli devolva ao plenário o pedido de vista que interrompeu o julgamento da arguição que pede a proibição, na linha sucessória da Presidência da República, de réus em ação penal. Ele pediu vista há um mês, mas só nesta sexta (2) recebeu o processo. Só agora começa a contar o prazo de 20 dias.
O processo estava com o relator, ministro Marco Aurélio, que o liberou ontem, após o gabinete de Toffoli tornar pública a razão da demora. A demora de julgar a arguição (ADPF nº 402) foi determinante para livrar Renan Calheiros de ser destituído da presidência do Senado.
Recebido o processo tão logo pediu vista em 3 de novembro, Toffoli já o teria devolvido. E aguentou calado as críticas pela “demora”. O prazo para vista em processo é limitado a 10 dias, prorrogáveis por mais 10, segundo determina a resolução nº 278/03, do STF.

Renan é alvo das manifestações em todo o Brasil


rio
A exemplo das manifestações anteriores, o maior ato deve ocorrer na Avenida Paulista, em São Paulo – marcado para as 14h. A via será será dividida em cinco blocos, com pelo menos seis caminhões de som de grupos que anteriormente levaram milhares às ruas contra Dilma.
Em Curitiba, o protesto contra a desfiguração pela Câmara dos Deputados das “Dez Medidas Contra a Corrupção” será em frente à Justiça Federal, a partir das 15 horas. A manifestação, convocada pelo movimento Vem Pra Rua, deve prosseguir até o final da tarde. Veja como estão as outras capitais clicando no Leia Mais.

BELO HORIZONTE: Cerca de 8 mil pessoas participam nesse momento de protesto na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, contra as mudanças no projeto de lei das 10 medidas contra a corrupção. A estimativa do número de participantes é da organização do protesto, que tem à frente os movimentos Vem pra Rua e Patriotas. A Polícia Militar não fará cálculo do total de pessoas na praça, segundo informou a corporação. As críticas dos manifestantes se concentram no presidente do Congresso Nacional, senador Renan Calheiros (PMDB-AL) e da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ).
BRASÍLIA: O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), virou o alvo preferencial dos manifestantes que protestam em frente ao Congresso Nacional na manhã do domingo em Brasília. As críticas a Renan dizem respeito principalmente à articulação dele para acelerar a votação do pacote de medidas anticorrupção aprovada pela Câmara que continha uma proposta para punir juízes e procuradores por abuso de autoridade, iniciativa que há meses vem defendendo no Senado.
RIO: Três carros de som, de diferentes movimentos, convocam a população para a passeata. A manifestação, que deve se estender do posto 5, na altura do Museu da Imagem e do Som, até o posto 2, próximo ao hotel Copacabana Palace, reúne pessoas de perfis que vão desde um grupo de militantes religiosos contra a legalização do aborto, até apoiadores do regime militar.