Avião cai na Suíça; é o terceiro acidente aéreo num só dia

quedasuiça
Um avião de porte pequeno caiu nesta quarta-feira (07) no aeroporto de Basileia, na Suíça. Segundo o jornal online “L’Alsace”, dois ocupantes da aeronave morreram no local.
O acidente aconteceu depois de uma aterrissagem falhada devido ao nevoeiro.
Todas as partidas e chegadas dos aviões foram suspensas.
Paquistão
A companhia Pakistan International Airlines confirmou em comunicado que o voo PK-661 perdeu contato com controladores de tráfego aéreo nesta quarta-feira (07). O piloto chegou a enviar uma mensagem de emergência, mas perdeu contato logo depois.
O voo PK661 fazia a rota entre Chitral e Islamabad, onde deveria ter pousado às 16h40 (9h30 em Brasília). O trajeto entre as duas cidades tem pouco mais de uma hora de duração.
As 48 pessoas a bordo do avião morreram, informou o presidente da Pakistan International Airlines: “Não há sobreviventes. Ninguém sobreviveu”, disse Muhammad Azam Saigol.
Brasil
Também nesta quarta um avião de pequeno porte caiu  em Manaus e causou a morte de cinco dos seis passageiros que estavam a bordo. Entre os mortos estavam o piloto e uma criança de 4 anos.

André Vargas vira réu na Lava Jato pela 3ª vez


André Vargas
Foto: José Cruz / Agência Brasil
O juiz federal Sérgio Moro acolheu mais uma denuncia do Ministério Público federal (MPF), contra o ex- deputado federal André Vargas, do Paraná. É a terceira vez que ele se torna réu na operação Lava Jato.
Desta vez o MPF acusa Vargas de lavagem de dinheiro. Ele teria recebido mais de R$ 2 milhões em propinas desviadas de um contrato da Caixa Econômica Federal. Além de André Vargas, o irmão dele Leon Vargas, que possuía empresas com o irmão, o empresário Marcelo Simões, e a ex-contadora de Alberto Youssef, Meire Poza, também se tornaram réus na mesma ação penal.
A denúncia aceita por Sérgio Moro, acusa André Vargas de, na condição de deputado federal, atuar para a assinatura de um contrato de R$ 71 milhões entre a Caixa Econômica Federal e a empresa IT7, controlada por Marcelo Simões. Em contrapartida, o político teria recebido R$ 2,4 milhões em propina, os repasses foram feitos através de uma empresa de Meire Poza que, na época, trabalhava com o doleiro Alberto Youssef.
O montante foi sacado por Meire Poza e entregues em dinheiro vivo ao ex-deputado, seguindo as próprias orientações dele. Leon Vargas, irmão do ex-parlamentar, teria recebido um milhão e seiscentos mil reais, em espécie, no apartamento funcional de Vargas, em Brasília. Na época, o político era vice-presidente da Câmara dos Deputados.
Meire Poza confirmou a existência dessa operação ilegal feita por Andre Vargas. É primeira vez que a ex-contadora de Youssef se torna ré na operação, mas ela já prestou vários depoimentos contando como funcionava a lavagem de dinheiro nas empresas de fachada do doleiro.

Moro rejeita suspeição de procuradores em ação contra Lula


deltan dallagnol operação lava jato ministério público federal
O juiz federal Sérgio Moro rejeitou, nesta terça-feira, a exceção de suspeição movida pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva contra os Procuradores da República da força-tarefa da Operação Lava Jato que subscreveram a denúncia contra o ex-presidente, sua esposa, Marisa Letícia e outros réus em ação penal que tramita na 13ª Vara Federal de Curitiba com a acusação de que Lula recebeu vantagens indevidas da OAS por três contratos da construtora com a Petrobras, por meio de um apartamento tríplex no Guarujá e do pagamento de despesas com transporte e armazenamento de objetos.
Para o juiz, é simplória a argumentação de defesa de Lula de que os procuradores seriam suspeitos para denunciar Lula por conta da entrevista coletiva em que apresentaram o ex-presidente com chefe de todo o esquema de corrupção na Petrobras, em 14 de setembro, data em que o MPF apresentou a denúncia. Segundo os advogados de Lula, a entrevista teria antecipado conteúdo condenatório e teria caracterizado verdadeiro “espetáculo”, contrário à discrição profissinal exigida. Alega ainda a Defesa que a denúncia oferecida, com adjetivações como “ardilosamente”, teria sido desrespeitosa, também refletindo exagero, excesso e imparcialidade e que o ex-presidente teria sido elevado a “inimigo capital” dos Procuradores da República, o que justificaria a exceção.
“Porém, a argumentação apresentada pela Defesa é simplória e poderia ser assim resumida, como o acusado Luiz Inácio Lula da Silva é inocente, todos os que agem contra ele, no caso os Procuradores da República que apresentaram a denúncia, são seus inimigos e só podem estar agindo com intuito político partidário ou político-ideológico. Embora se possa alegar isso publicamente, como questionável artifício retórico para desmerecer politicamente a acusação, para a Justiça é necessário algo concreto e com amparo legal”, escreveu Moro em seu despacho. O juiz cita que o Ministério Público é parte, “então dele não se espera propriamente imparcialidade”, e que apesar das alegações da Defesa, ela não aponta qualquer fato objetivo que se enquadre nas hipóteses de impedimento
“Só há impedimento ou suspeição nos casos previstos em lei e não há qualquer descrição de fato objetivo pela Defesa que autorize concluir que os Procuradores da República, que promoveram a ação penal, agem por motivos pessoais, políticos ou ideológicos contra o ex-Presidente. Se a aludida entrevista pode ser eventualmente criticada pela forma e linguagem utilizada, isso não é causa de impedimento ou suspeição”, conclui Sérgio Moro.

PF quebra sigilo e tem acesso a troca de e-mails de Eduardo Cunha e filha


Foto: Equipe Paraná Portal
Foto: Equipe Paraná Portal
Com Thaissa Martiniuk, da BandNews FM Curitiba
A Polícia Federal teve acesso a troca de e-mails entre o ex-deputado Eduardo Cunha e a filha dele, Danielle Dytz da Cunha, após quebra de sigilo telemático. Em um dos e-mails, a publicitária faz uma lista com objetos que ela quer que Cunha compre no exterior. Entre os itens estão, cremes, óculos, bolsas e sapatos, todos de marca.
As mensagens foram anexadas ao sistema da Justiça Federal do Paraná em ação penal que o ex-presidente da Câmara responde na Operação Lava Jato. Danielle Dytz da Cunha não é acusada neste processo. No e-mail datado de 20 de fevereiro de 2009, a filha de Cunha diz que não tem “cacife” para comprar tudo que gostaria e, por isso, pede que o ex-deputado traga o que foi listado.

No documento, Danielle pede uma bolsa da marca Balenciaga que, atualmente, custa em torno de 1,8 mil dólares, o equivalente a R$ 6,3 mil. A publicitária ainda inclui na lista um óculos Ray-Ban que no site da marca custa 150 dólares ou R$ 520. Outro pedido feito pela filha a Cunha está um casaco da grife Burberry. Para este produto, Danielle especificou no e-mail que só é para comprar caso o ex-deputado vá a um outlet, lojas que oferecem desconto em algumas marcas. No site oficial da grife, o casaco está 2 mil dólares, o equivalente a R$ 7.200 reais.
A defesa do ex-deputado Eduardo Cunha disse que não vai comentar o assunto.
A denúncia desta ação envolve um contrato em que a Petrobrás comprou direitos de participação na exploração de um campo de petróleo na República do Benin, na África. O negócio, segundo os procuradores do Ministério Público Federal, envolveu o pagamento de propina ao deputado federal afastado Eduardo Cunha de cerca de U$ 1,5 milhão.

O valor total do negócio era de US$ 34,5 milhões. Para os procuradores, Cunha utilizou o cargo de deputado e de presidente da Câmara para sustentar o esquema de corrupção, obter vantagens ilícitas e atender interesses particulares.

Moro ouve testemunhas de defesa de Cunha nesta quarta-feira


Eduardo Cunha
Foto: Wilson Dias / Agência Brasil
Com informações da CBN Curitiba
Seis testemunhas arroladas pela defesa do ex- presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), serão ouvidas hoje (7) em um audiências de processo da Operação Lava Jato. O juiz federal Sérgio Moro, começou a ouvir as testemunhas às 9h30. O primeiro a falar foi o ex- deputado federal João Lúcio Magalhães Bifano. Logo em seguida, às 9h50, o vice-governador de Minas Gerais, Antônio Eustáquio Andrade Ferreira.
Com oitiva marcada para às 10h15, o deputado federal Leonardo Lemos Barros Quintão (PMDB-MG), é o terceiro da lista a testemunhar para defesa do ex- deputado Cunha. Os depoimentos seguem com o deputado José Saraiva Felipe (PMDB-MG), às 10h30 e José Múcio Monteiro, ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), presta depoimento às 10h40.
A última testemunha da defesa de Eduardo Cunha deve ser ouvida às 14h, provavelmente por conta de um intervalo previsto na sessão. Quem será ouvido é o ex- ministro do turismo nos governos de Dilma Rousseff e Michel Temer, Henrique Eduardo Lyra Alves. Todas as testemunhas serão ouvidas pro vídeoconferência.
Eduardo Cunha está preso em Curitiba, na carceragem da Polícia Federal desde o dia 19 de outubro. Ele é acusado de receber propina em contratos de exploração de Petróleo da Petrobrás e de usar contas na Suíça para lavar dinheiro.
A defesa do ex-deputado nega as acusações. Os procuradores do Ministério Público Federal mantém a prisão alegando que há possibilidade de fuga dele para o exterior, onde o ex-parlamentar teria recursos escondidos.

Centrão ameaça obstruir PEC da Previdência se tucano for nomeado

A provável nomeação do líder do PSDB na Câmara, deputado Antonio Imbassahy(BA), para Secretaria de Governo poderá ter efeitos negativos em votações de matérias de interesse do governo na Casa. Lideranças do Centrão – bloco informal de 13 partidos da base aliada liderado por PP, PTB e PSD – já falam em obstruir a votação da admissibilidade da PEC da reforma da Previdência como reação à indicação do tucano.
Para o Centrão, a escolha de Imbassahy significa uma “interferência clara” do governo na próxima disputa pela presidência da Câmara, prevista para fevereiro de 2017. Na avaliação de líderes do grupo, a nomeação favorece a reeleição do atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na medida em que ele é apoiado pelo PSDB. Além disso, fala-se nos bastidores que a negociação para escolha de Imbassahy passou pela amarração do apoio do PMDB, maior sigla da Casa, à reeleição de Maia.
“Não acredito que essa nomeação vai se concretizar. É um governo experiente. Mas, em se concretizando, claro que vai ter efeito para Previdência. Toda ação tem uma reação. É a Lei de Newton”, afirmou o líder do PTB, deputado Jovair Arantes (GO). “Tenho certeza que antes de se concretizar, o governo vai reunir a base, porque estamos diante de importantes votações, como a da Previdência”, disse Rogério Rosso (DF), líder do PSD na Casa.
Deputados do Centrão lembram que o a PEC da Previdência, por si só, terá dificuldades de ser aprovada na Câmara, em razão da polêmica da proposta. Com a disputa política na base aliada em torno da presidência da Casa agravada pela provável nomeação de Imbassahy, essa dificuldade aumentaria. “Temo pela reforma da previdência. Alguns deputados já não gostavam da PEC, imagine agora”, afirmou um líder do Centrão.

Deputados do grupo lembram que outros partidos da base aliada, como PSB, já pretendiam obstruir a votação da admissibilidade da PEC na Comissão de Constituição e Justiça independente da nomeação do líder do PSDB para Secretaria de Governo. A votação da admissibilidade da proposta está prevista para a próxima semana, penúltima de atividades no Congresso Nacional antes do início do recesso de fim de ano, que começa em 23 de dezembro.
Além da votação da admissibilidade da PEC da previdência, deputados e senadores votarão matérias importantes para o governo antes do início do recesso. Antes de saírem de férias, parlamentares ainda precisam aprovar os últimos destaques à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017 e o próprio Orçamento do próximo ano.
(com Estadão Conteúdo)

Moro pede a Teori para devolver Bumlai à cadeia e diz que abalos emocionais afetam qualquer preso


Moro: advogados buscam novos argumentos para derrubar a Lava-Jato
Moro: não vai descansar
Sérgio Moro não vai sossegar enquanto não levar de volta para a cadeia o pecuarista – e amigão de Lula – José Carlos Bumlai, que cumpre pena em prisão domiciliar.
Bumlai está em casa, amparado por uma decisão liminar do ministro Teori Zavascki. Ele acolheu o argumento da defesa de que o estado de saúde do pecuarista inviabiliza a permanência dele no cárcere.
Moro discorda, e enviou ontem um despacho ao Supremo para pedir a Teori que devolva o amigo de Lula para Curitiba, mais precisamente ao Complexo Médico Penal.
O juiz de Curitiba cita laudos médicos que indicariam um quadro clínico compatível com a permanência na cadeia. Quando estava preso, Bumlai teve um câncer na bexiga e, depois, problemas cardíacos.
Em seu despacho, Moro reconhece que um dos médicos responsáveis pelo laudo afirma que “o distress pode ser um fator agravante dos males cardiológicos, bem como que o ambiente prisional é adverso e pernicioso à saúde do periciado”.
Mas argumenta logo em seguida que esse parecer “não autoriza, por si só, a concessão de prisão domiciliar”.
“Algum abalo emocional pela prisão ou manutenção da prisão são fatos que afetam todos os presos e não justificam tratamento diferenciado”, diz Moro.
Agora, caberá a Teori decidir se concorda com Moro ou continua certo de que o estado de saúde de Bumlai não permite a clausura.

O NATAL DE CABRAL



O Antagonista soube que é grande a chance de Sérgio Cabral ganhar a liberdade durante o recesso do Judiciário. Sua defesa aposta na obtenção de habeas corpus com o ministro de plantão.
Uma vez concedido, vão pedir a extensão do benefício a Adriana Ancelmo.
Dois ministros do STJ e um ministro do Supremo estão muito preocupados com a situação do casal e o risco de que Adriana, por seu temperamento instável, resolva negociar uma delação premiada.

Moro sobre ação de Lula: “Lamentável”



Sergio Moro autorizou o acesso da AGU a dois procedimentos criminais da Lava Jato sob sua alçada. O objetivo é permitir que o órgão monte a defesa da Polícia Federal, que está sendo processada por Lula.
Segundo o Estadão, no despacho, Moro afirmou que é “lamentável que autoridades públicas, no exercício de seu dever legal, fiquem sujeitas a retaliações por parte de investigados ou acusados que confundem o exercício do dever funcional com ilícitos.”

Nas redes sociais, Chapecoense agradece aos torcedores pela homenagem em Curitiba


Por Esporte Banda B 

Torcedores deixaram a rivalidade de lado para homenagear à Chape. (Osmar Antônio/Banda B)
Torcedores deixaram a rivalidade de lado para homenagear à Chape. (Osmar Antônio/Banda B)
Mais de 30 mil pessoas fizeram uma bela homenagem para a Chapecoense na noite de quarta-feira (07) no estádio Couto Pereira, local que seria a decisão da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional. O clube catarinense postou uma mensagem para agradecer ao Coritiba pela iniciativa e também a todos os torcedores pela presença..
“Obrigado, Coritiba, pela iniciativa de homenagear o time que uniu todas as bandeiras e cores em uma só torcida. Obrigado, Curitiba-PR e região, por ter lotado o Couto Pereira, nos fazendo sentir o carinho e emoção que receberíamos ao jogar a nossa partida mais importante nesse que já foi palco de tantas decisões. Nossa eterna gratidão! #ForçaChape”, escreveu a Chapecoense.
A Chapecoense recebeu uma placa do presidente Rogério Bacellar, do Coxa, com o nome de todas as vítimas, para eternizar o dia da homenagem. Durante toda a cerimônia, os torcedores ecoaram o grito de “vamos, vamos, Chape” e “é campeão” e emocionaram a todos os presentes.
(Reprodução/Facebook)
(Reprodução/Facebook)

Apesar das intenções de ajuda, Chape recebeu só R$ 10 mil em doações


Em compensação, procura pelo programa de sócio-contribuinte é intensa. Já são mais de 50 mil interessados

Por Chapecó, SC
Desde o trágico acidente com o avião da Chapecoense, uma onda de solidariedade formou-se em torno do clube. O que mais chama a atenção é a intensa procura do público para se associar. Além dos 15 mil sócios já efetivados, existe uma lista de mais de 50 mil interessados em seguir o mesmo caminho. O clube também abriu uma conta bancária exclusivamente para receber doações, já que foram muitos contatos de pessoas dispostas a ajudar. No entanto, de segunda-feira até esta quinta, apenas R$ 10 mil reais foram recebidos pelo Verdão do Oeste, um número considerado baixo diante de tantas manifestações. 
Chapecoense conta (Foto: Reprodução)


O clube, porém, é grato a todos que têm ajudado. Financeiramente ou não. Via site oficial, a Chape dá um recado aos que ainda pensam em colaborar. Alerta aos torcedores e simpatizantes da equipe para que se atentem no momento da ajuda, de modo a não serem vítimas de oportunistas. O clube possui uma conta titular exclusiva para as doações, e todo e qualquer valor deve ser destinado apenas para ela. 

Os dados: conta corrente 402014-1, agência 0414 da Caixa Econômica Federal. Para transações internacionais, o código SWIFT da Caixa é CEFXBRSP, ambas vinculadas à Associação Chapecoense de Futebol, CNPJ: 83.018.788/0001-90.

Vale lembrar que a CBF prometeu uma ajuda de R$ 5 milhões ao clube. O valor ainda não foi depositado na conta da Chape, o que deve ocorrer muito em breve. 

Depois do acidente, a Chapecoense lançou o programa Sócio-Contribuinte, com o objetivo de atender à demanda dos torcedores e simpatizantes da Chapecoense que, solidarizados com o clube após a tragédia, buscaram uma forma de colaborar. Nessa modalidade, é possível aderir planos de R$ 20, R$ 30, R$ 50 e R$ 100, válidos por 12 meses.