Internado após atentado, prefeito eleito de Piên não resiste e morre no hospital


Da Redação
Prefeito sofreu atentado na quarta-feira (14). (Foto: Reprodução/Facebook)

prefeito eleito de PiênLoir Dreveck (PMDB), morreu na tarde deste sábado (17) no Hospital e Maternidade Sagrada Família, em São Bento do Sul (SC). A informação foi confirmada à Banda B pela assessoria do político e divulgada pela esposa dele, Patrícia, no Facebook.
“É com o coração sangrando que informo que o meu Loir Dreveck, o nosso prefeito, já se encontra na presença de Jesus. Tenhamos muita força nestas próximas horas que vamos dar o nosso adeus a dele”, escreveu Patrícia.
Loir foi baleado duas vezes na cabeça em um atentado na manhã de quarta-feira (14) na rodovia PR-281, que liga Piên a São Bento. Segundo a prefeitura, ele estava em um carro oficial e seguia com a esposa e a filha, além de um motorista, até Santa Catarina para resolver problemas de documentação. Por volta das 8h, um motociclista abordou o veículo e atirou duas vezes contra o prefeito, que foi socorrido em estado gravíssimo.
Ao anunciar a morte do marido, a esposa também agradeceu a todas as orações recebidas. “Deus abençoe a todos vocês que rezaram e acreditaram. Deus decidiu levá-lo e a nós cabe aceitar e continuar em oração para que o esposo, pai, amigo, companheiro possa levar aos céus a sua alegria contagiante que todos nós tivemos o privilégio de conhecer”, finalizou a postagem.
Loir foi eleito prefeito em uma disputa acirrada. Ele teve 4.232 mil votos contra 4.113 do candidato João Padeiro (PSDB). A Polícia Civil continua a investigar o caso para identificar os autores do homicídio.

Motorista de Uber é morto com tiros na cabeça enquanto esperava carro no lava-rápido


Por Marina Sequinel e Daniela Sevieri
(Fotos: Daniela Sevieri – Banda B)

Um motorista de Uber de 24 anos foi morto com pelo menos dez tiros na cabeça no bairro Xaxim, em Curitiba, na tarde deste sábado (17). Ele havia levado o carro para lavar, no cruzamento das ruas David Tows e Arnaldo Gusi, quando acabou surpreendido por duas pessoas em um Fiesta preto, segundo informações da Polícia Militar (PM).
Os assassinos chegaram, desceram do carro e já dispararam contra o jovem, pelas costas, enquanto ele conversava com uma funcionária do lava car. “Nós encontramos 15 lesões no corpo dele, causadas por perfuração. A arma usada foi uma pistola nove milímetros. A vítima nem viu quem atirou, ela não teve tempo”, explicou o perito Elmir Machado, do Instituto de Criminalística, em entrevista à Banda B.
De acordo com o delegado José Vitor Pinhão, que também atendeu a ocorrência, a família comentou que Richard Vagner Machado era uma pessoa tranquila. “O pai falou que ele era casado e não tinha problemas, que era caseiro e trabalhador. Ele está estarrecido e não vê nenhum motivo para isso ter acontecido com o filho. No entanto, nenhuma hipótese está descartada”, relatou.
Informações apuradas no local dão conta que Richard era taxista e, recentemente, começou a trabalhar como motorista do Uber. O corpo do rapaz foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Curitiba e a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o caso. Qualquer dado ou detalhe sobre os autores pode ser repassado de forma anônima pelo telefone  0800-6431-121.

Caiado reafirma defesa de "antecipação de eleições"



Ronaldo Caiado, líder do DEM no Senado -- que ainda não sabe se tentará o governo de Goiás ou a presidência da República em 2018 --, repetiu em artigo publicado hoje na Folha o que defendeu nos últimos dias:
"Só com a renovação do ambiente político, por meio da participação direta da sociedade, será possível engajá-la num projeto de reformas profundas e de longo prazo. É hora de um gesto maior do presidente, convocando um recall, por meio de uma proposta de emenda à Constituição, antecipando as eleições."
Os caciques do DEM continuam dizendo que essa é uma opinião estritamente pessoal do senador, não do partido.

Temer e a família Barbalho sua aliada na queda da Lava Jato



O mau tempo impediu que Michel Temer fosse hoje ao Pará para a inauguração do "maior projeto da indústria da mineração" -- trata-se de um empreendimento da Vale que prevê investimentos na ordem de 14 bilhões de dólares.
O presidente gravou um vídeo explicando o motivo da desistência da viagem ao lado de Jader Barbalho (senador), Helder Barbalho (ministro da Integração Nacional) e Elcione Barbalho (deputada federal).
A família Barbalho é a grande aliada de Renan Calheiros na fissura pelo projeto de abuso de autoridade.

Requião atribui vazamento de seu supersalário a inimigos


unnamed
O senador Roberto Requião (PDMB-PR) atribui nesta sexta-feira, 16, a divulgação do seu supersalário de R$ 64.234,11 mensais (R$ 33.763,00, o teto constitucional, como congressista e mais R$ 30.471,11 de ‘aposentadoria especial’ de ex-governador) “como mentira criminosa, propaganda da Lava Jato ou fraude”, disse no twitter. Pelo projeto de lei aprovado no Senado, que veda os salários acima do teto constitucional, Requião deve optar pelos rendimentos do Congresso ou da sua aposentadoria. O projeto segue agora para análise e votação da Câmara dos Deputados.

Gleisi e Bernardo perdem mais uma na Justiça


unnamed
Fundo de propina – O petista Paulo Bernardo, ex-ministro do Planejamento e marido da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), sofreu sua primeira derrota na ação da qual é réu na Justiça Federal em São Paulo, sobre desvios em contrato de crédito consignado na pasta. O juiz Paulo Bueno de Azevedo rejeitou o pedido de absolvição sumária e reforçou a consistência dos indícios contra o petista. As informações são de Débora Bergamasco no IstoÉ.
A decisão é do último dia 1º. “Nas planilhas financeiras de Guilherme Gonçalves [advogado do ex-ministro] (…) há indícios de pagamentos de despesas de Paulo Bernardo, com dinheiro saído de um ‘Fundo Consist’”. Consist era a empresa que possuía o contrato com o ministério.
Nem vem – O juiz também rejeitou argumento de Guilherme Gonçalves de que buscas em seu escritório violaram prerrogativas da advocacia e que deveria ser consultado.

Os temores de Janot



O Estadão diz que, "em conversa reservada no Palácio do Planalto, Rodrigo Janot demonstrou a Michel Temer preocupação com as manifestações. Há receio de que a população se volte contra o Judiciário".
É uma notícia bizarra.
A população apoia em massa o Judiciário.
Rodrigo Janot só pode se referir a duas coisas: ou ele tem medo de protestos contra o STF, ou ele quer prevenir o governo para os atos de vandalismo dos milicianos petistas em caso de prisão de Lula.
Tanto num caso quanto no outro, a população vai defender a Lava Jato.

Programa e-SUS e Implantação do Prontuário Eletrônico são temas de capacitação em Colombo


WEBMASTER 16 DE DEZEMBRO DE 2016

O encontro reuniu 273 agentes comunitários de saúde e de endemias


A abertura da programação foi realizada pelo Secretário da pasta, Darci Martins Braga.
A abertura da programação foi realizada pelo Secretário da pasta, Darci Martins Braga.
Foi ministrada uma palestra sobre o Programa E-SUS “Implantação do Prontuário Eletrônico”.
Foi ministrada uma palestra sobre o Programa E-SUS “Implantação do Prontuário Eletrônico”.
Durante toda a tarde foram debatidos temas sobre ações de educação e vigilância em saúde.
Durante toda a tarde foram debatidos temas sobre ações de educação e vigilância em saúde.
Durante o encontro forma abordados temas sobre a valorização do Agente Comunitário e Agentes de Endemias.
Durante o encontro forma abordados temas sobre a valorização do Agente Comunitário e Agentes de Endemias.
Apresentar oficialmente o Sistema do Prontuário Eletrônico do Cidadão aos agentes comunitários de saúde. Esse foi o principal intuito da capacitação promovida pela Prefeitura de Colombo, por meio da Secretaria de Saúde aos agentes comunitários de saúde e de endemias, na última segunda-feira, 12.
A abertura da programação foi realizada pelo Secretário da pasta, Darci Martins Braga, pela diretora de Atenção em Saúde, Adriana Pereira e a coordenadora dos ACS, Gilmara Aparecida de Amaral.
Durante o encontro o Gestor do Núcleo de Tecnologia da Informação, Adir Rogério Ribeiro Ramos ministrou uma palestra sobre o Programa E-SUS “Implantação do Prontuário Eletrônico”. Já o responsável técnico do Programa E-SUS no município – abordou temas sobre a valorização do Agente Comunitário e Agentes de Endemias.
“Atualmente, contamos com 273 agentes ACS e ACE e neste encontro ponderamos sobre o planejamento de ações para 2017, relacionado às capacitações na promoção em saúde”, disse o Dr. Braga.
Os profissionais também participaram de uma dinâmica motivacional e tiveram informações sobre o projeto voluntário Amo Colombo (amocolombo.com. br), com a palestrante e empresaria, Jane Cortez Carneiro.
Durante toda a tarde foram debatidos temas sobre ações de educação e vigilância em saúde, com ênfase na promoção da saúde e prevenção de doenças, por meio das visitas domiciliares realizadas pelos profissionais e identificação de áreas de risco. Além de orientar os familiares sobre os serviços de saúde que ocorre no cadastramento e acompanhamento das famílias residentes em sua área de abrangência, na qual é responsável.
_DSC8575 _DSC8617 _DSC8548 _DSC8566 _DSC8549
Mais informações sobre o trabalho da prefeitura em:
FACEBOOK: facebook.com/pmdecolombo
Foto: João Senechal/ PMC

Cabral deixa carceragem da PF em Curitiba e segue para o Rio


(Foto: Tânia Rêgo/ABr)

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral Filho (PMDB) deixou a carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, por volta das 10h deste sábado. O peemedebista será transferido de volta para o Complexo de Bangu, no Rio, após decisão do desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2). A previsão é que Cabral chegue ao Rio na tarde de hoje.
Sérgio Cabral foi capturado em 17 de novembro pela Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato. Preso, foi levado para o Complexo de Bangu, no Rio. Após suspeita de irregularidades nas visitas, o juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal, do Rio, ordenou a transferência de Sérgio Cabral para Curitiba. No Paraná, o peemedebista é alvo de um mandado de prisão preventiva expedido pelo juiz federal Sérgio Moro.
A decisão do desembargador federal Abel Gomes atende pedido da defesa de Cabral. O magistrado ordenou “o imediato retorno” do ex-governador ao Presídio Pedro Werling de Oliveira, no Rio. “Sem prejuízo de que as autoridades Judiciárias, do Ministério Público e da Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP) prossigam na apuração das infrações eventualmente ocorridas durante as visitações pretéritas, bem como o prosseguimento no controle da manutenção da disciplina interna, com a aplicação das proporcionais sanções disciplinares cabíveis, na forma da LEP, que é o estatuto também aplicável ao preso provisório, no que couber”, ordenou o desembargador.
Na última terça-feira, um dos advogados de Cabral afirmou que a transferência dele foi desnecessária e atingiu o direito de defesa. O advogado Raphael Mattos disse ainda que a decisão contrariou a lei uma vez que o ex-governador deveria ficar próximo de sua família. O peemedebista é alvo em duas ações penais: uma na Lava Jato, no Paraná, e outra na Calicute, no Rio
O juiz federal Sérgio Moro abriu ação penal ontem, 16, contra o ex-governador por propina de pelo menos R$ 2,7 milhões da empreiteira Andrade Gutierrez, entre 2007 e 2011, referente as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), da Petrobras. Sérgio Cabral é acusado de corrupção e lavagem de dinheiro.
A Procuradoria da República, no Rio, denunciou Sérgio Cabral por associação criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro. O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal, do Rio, aceitou a denúncia. Sérgio Cabral é acusado por 164 atos de lavagem de dinheiro e 49 de corrupção passiva.

“Eu não temo absolutamente nada”, diz Renan sobre denúncia


renan calheiros
O presidente do Senado, Renan Calheiros, fez um pronunciamento nesta quarta-feira (14) para comentar a notícia de que uma denúncia contra ele foi devolvida pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal federal (STF), ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
Segundo Renan, as acusações que enfrenta são frágeis e ele provará que elas não se sustentam.
“Eu não temo absolutamente nada. Estou há nove anos sob devassa intensa. Não tenho nenhum problema na minha vida pública nem na minha vida pessoal. Eu pedi a investigação para esclarecer os fatos, meus sigilos foram entregues à Procuradoria-Geral da República, à Receita, à Polícia Federal. Estou à disposição”, disse.
Nesta quarta, Teori retornou a denúncia de Janot para que o procurador-geral complemente informações e aguarde o fim de diligências da Polícia Federal (PF).
A denúncia contra Renan se refere a crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato. Renan voltou a criticar a atuação do Ministério Público na operação, lembrando que o Senado rejeitou três indicações para o Conselho Nacional do órgão (CNMP) de procuradores que, hoje, atuam na Lava Jato. O presidente afirmou que o Ministério Público está perdendo sua isenção e, assim, “perde a condição de ser o fiscal da lei”.
“Contra o Congresso Nacional quiseram tudo, desde a invasão do prédio até o pedido de prisão do presidente, porque estaria obstruindo a operação. Cada decisão, cada constrangimento, cada busca e apreensão que fazem com a cobertura da imprensa precisa ser melhor observado. De abuso em abuso, eles estão construindo uma névoa no país que não fará bem à nossa democracia”.
Renan falou também de outra denúncia contra ele, recentemente aceita pelo STF, que o transformou em réu perante à corte máxima do país. Ele observou que dois dos três fatos denunciados foram rejeitados pelos ministros, e argumentou que o único crime que restou — peculato, pela utilização irregular de verba indenizatória — não será comprovado.
“A denúncia é [pelo pagamento] de serviço de uma locadora que não existia. Nós provamos não só que a empresa existia e que prestou os serviços como que existe ainda hoje. Remetemos todas as certidões”.

Sérgio Cabral deixa a carceragem da PF no PR e segue para presídio no Rio


Ex-governador do RJ está preso desde o dia 17 de novembro.
Ele foi o principal alvo da Operação Calicute, deflagrada pela PF.

Adriana Justi, José Vianna e Samuel NunesDo G1 PR e da RPC
Sérgio Cabral saiu da carceragem em um carro da PF por volta das 10h deste sábado  (Foto: Leando Brito/RPC)Sérgio Cabral saiu da carceragem em um carro da PF por volta das 10h deste sábado (Foto: Leando Silva /RPC)
O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), deixou a carceragem da Polícia Federal, em Curitiba, por volta das 10h deste sábado (17). O político será novamente transferido para o Rio de Janeiro, onde continuará detido no Presídio Pedro Werling de Oliveira, no Complexo Penitenciário de Bangu.
Da carceragem, Cabral seguiu para o Aeroporto Afonso Pena, em São José dos Pinhais. Ele será levado ao Rio em um avião da PF, que deve deixar o Paraná até as 12h. A previsão é que o voo dure cerca de uma hora e 30 minutos.
A decisão pelo retorno ao Rio de Janeiro foi tomada na sexta-feira (16), pelo desembargador Abel Gomes. Ele considerou que não havia fundamentos suficientes para comprovar que o ex-governador tenha recebido regalias no período em que permaneceu preso em Bangu.
Sérgio Cabral foi preso no dia 17 de novembro, quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Calicute, que apura fraudes em licitações do governo fluminense. Segundo as investigações, o grupo liderado pelo ex-governador recebeu propinas de diversas empreiteiras, incluindo a Andrade Gutierrez e a Odebrecht.
Na quinta-feira (15), Cabral, a mulher dele, Adriana Ancelmo e outras cinco pessoas foram denunciadas à Justiça Federal de Curitiba, no âmbito da Operação Lava Jato. O Ministério Público Federal (MPF) aponta que o grupo pode ter cometido crimes como corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro.
De acordo com o MPF, o grupo teve envolvimento no pagamento de vantagens indevidas a partir do contrato da Petrobrascom o Consórcio Terraplanagem Comperj, formado pelas empresas Andrade Gutierrez, Odebrecht e Queiroz Galvão.